Opiniões

Levantamento de professor da UFRGS mostra o que pensam os presidenciáveis

Daniel da Silva Lacerda dedicou-se a explorar notícias e artigos em busca da opinião dos principais nomes na disputa presidencial sobre temas de interesse da população

31 de Julho de 2018 - 09h31 Corrigir A + A -

Por: Vinicius Peraça
vinicius.peraca@diariopopular.com.br 

Presidenciaves

Candidatos e pré-candidatos tiveram suas opiniões elencadas por professor (Foto: Reprodução)

Às vésperas do começo oficial das campanhas e faltando pouco mais de dois meses para o primeiro turno, não são poucos os candidatos disputando atenção dos eleitores. E em meio a essa batalha por espaço e convencimento, saber quem pensa o quê não é tarefa fácil. Foi a partir desse incômodo que um professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) dedicou-se a explorar notícias e artigos em busca da opinião dos principais nomes na disputa presidencial sobre temas de interesse da população.

Durante uma semana inteira de suas férias, Daniel da Silva Lacerda mergulhou em textos, vídeos e informações sobre Guilherme Boulos (PSOL), Manuela D’Ávila (PCdoB), Lula (PT), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Pode), Geraldo Alckmin (PSDB), João Amoedo (Novo) e Jair Bolsonaro (PSL). O trabalho levou em conta também posições dos partidos no Congresso Nacional.

Doutor em Estudos Organizacionais pela Universidade de Lancaster, no Reino Unido, há dois anos Lacerda faz parte da Escola de Administração da UFRGS, onde leciona no curso de Administração Pública e Social. “Há algum tempo tinha visto tabela nesse sentido, mas muito mal feita. Achei que era preciso algo mais completo e pesquisei as informações, declarações públicas sobre os temas”, explica.

Diante da infinidade de assuntos abordados pelos candidatos na mídia, o professor fez a opção por cinco grandes temas: economia, energia, proteção social, segurança e democracia. Os critérios para a definição foram a presença constante em debates eleitorais e o quanto isso esteve na pauta social e da mídia. Com base nisso, classificou a opinião dos presidenciáveis como contra, a favor ou parcial. Em alguns casos, devido à falta de posicionamentos ou fontes confiáveis, manteve a interrogação.

O resultado do trabalho foi publicado há uma semana nas redes sociais e se espalhou rapidamente, incentivando outras pessoas a checar opiniões e temas. “O curioso é que muitos apoiadores dos candidatos, ao ver algumas posições, criticaram o levantamento. Mas ao conferir as fontes do material, se surpreenderam. Não sabiam a real opinião expressada por eles”, diz.

Apesar do caráter informativo com base em notícias e artigos e votos dos partidos nos últimos 12 meses, Lacerda alerta que o material serve como ponto de partida. “Quem garante a confiabilidade da declaração do candidato? Ou a posição do seu partido? Trata-se de um indicativo importante para ser levado em conta na hora de comparar, mas cada pessoa tem o seu critério.” De acordo com o professor, o levantamento se mantém em atualização constante e o objetivo é lançar em breve um semelhante sobre as bancadas na Câmara dos Deputados.

Apoio ao “flutuante”
Cientista político, Álvaro Barreto acredita que comparativos diretos entre candidatos são inevitáveis, especialmente diante da tendência de comportamento dos eleitores este ano. A descrença na política e a falta de vínculos com partidos levarão as pessoas a se guiarem por opiniões individuais dos presidenciáveis.

“O eleitor que não tem prévia definição do seu voto, o flutuante, este é bem provável que parta para as comparações”, diz. No entanto, a campanha mais curta e o número de competidores dificultam a tarefa, que fica menos complexa justamente a partir de levantamentos de estudiosos e imprensa. Pautas como economia e combate à corrupção, sempre presentes nos debates, até outubro chamarão ainda mais a atenção para o que pensam os candidatos. “Comparativos são atalhos, podem ser importantes. Mas é bom lembrar que nenhum é totalmente neutro”, adverte o professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

TABELA (4)


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados