Zona Sul

Herval pode ter cassação na Câmara

Vereadora acusa colega de parlamento de falas machistas

25 de Julho de 2022 - 20h01 Corrigir A + A -
Decisão deve ser tomada até o início do próximo mês (Foto: Divulgação - DP)

Decisão deve ser tomada até o início do próximo mês (Foto: Divulgação - DP)

Até o dia 5 de agosto a Câmara de Vereadores de Herval precisa decidir se o vereador Paulo Ricardo Coelho (PDT) terá seu mandato cassado. Ele foi denunciado por falta de decoro parlamentar por Denise Silveira (PP), que alegou falas machistas feitas por ele na tribuna, em fevereiro deste ano. O processo está prestes a ser concluído e o relatório final deve ser entregue no final desta semana.

Na denúncia, a progressista registra: "[...] proferiu palavras de deboche, risadinhas e insinuações… [...] O ato desmerece a vereadora como mulher, na medida em que coloca o gênero feminino como influenciável por relações pessoais, desprovida de convicções, praticamente como um subgrupo humano e como podendo ser atacada e desmerecida". O documento segue: "Atitudes como a praticada pelo vereador Paulo Coelho alimentam o machismo que gira a roda da violência contra a mulher".

A atitude citada pela vereadora ocorreu em 21 de fevereiro. Na oportunidade, o pedetista disse: "Eu entendo a vereadora Denise muito, muito bem. Sabe que eu elogiei ela na última reunião e não podia ser diferente, eu entendo e vocês que estão aqui entendem a situação em que ela está. Ela tem que ser defensora do prefeito. [...] Quando tem uma amizade tão forte, tão profunda, a gente defende como família. [...] Eu reconheço a coragem dela, o caráter dela, o posicionamento dela, não poderia ser diferente". O contexto da discussão seria uma reunião com o prefeito de Herval, Ildo Salaberry (PP), sobre o fechamento de uma escola.

A vereadora defende que o parlamento é local de discussão de ideias e não de ataques pessoais. "Meu sentimento é de que os plenários ainda são ambientes masculinos. Sou uma profissional e fui a parlamentar mais votada. Quero ser respeitada em minhas opiniões", diz. Denise defende que o ataque ocorreu por uma questão de gênero. "O parlamentar denunciado, não tendo como defender a questão, tentou me atingir em minha vida pessoal. Acredito que a cassação será um exemplo de que o parlamento é lugar de mulheres, as quais devem ser respeitadas", sustenta.

Trâmites da denúncia

Quando a denúncia foi aceita pela Casa, os vereadores formaram uma comissão para analisar as acusações. A relatoria do caso está por conta do parlamentar Paulo César Carvalho (MDB). Ele fala que as oitivas já foram concluídas e a devida documentação encaminhada ao advogado do denunciado, que deve apresentar a defesa nos próximos dias. "No final da semana entrego meu relatório ao presidente da comissão processante [Antônio Ricardo Faria (PP)] e, até o dia 5, precisamos estar com o processo votado", diz.

O relator aponta algumas falhas no processo, como a quantidade dos votos favoráveis para o aceite da denúncia, já que apenas quatro votaram a favor da investigação. "Não foi obedecido o mínimo de dois terços dos votos favoráveis", completa, também contando que no dia da votação o denunciado foi impedido de votar. O relator chegou a solicitar ao parlamento o arquivamento da denúncia, mas não foi aceito.

O que diz o acusado?

Paulo Coelho afirma estar sendo vítima de uma perseguição política por não compactuar com o Poder Executivo. "Porque sou da oposição, porque luto pelos direitos das pessoas e não me dobro para o sistema", fala, alegando que teve direitos "atropelados" durante a averiguação da denúncia. Das dez testemunhas convocadas, apenas seis foram ouvidas, devido a imprevistos com datas e horários. Por isso, o pedetista conseguiu uma liminar, divulgada nesta segunda-feira (25), para que garanta o resto das audições. "Agora terão que ouvi-los e o processo começa a se tornar mais sério", diz.

Ele também defende que a progressista não procurou a justiça comum por não ter provas para suas acusações. "Foi para a Câmara porque sabe que tem maioria. Era para ter procurado a justiça, assim como eu estou fazendo", fala, referindo-se a um processo que está movendo contra a vereadora.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados