Palestra

Em Pelotas, Rodrigo Maia evita polêmicas

Presidente da Câmara dos Deputados participou de evento sobre o papel do parlamento no atual cenário político do país

18 de Outubro de 2019 - 21h14 Corrigir A + A -

Por: Vinicius Peraça
vinicius.peraca@diariopopular.com.br 

Deputado defendeu mudanças tributárias e administrativas para retomar investimentos (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Deputado defendeu mudanças tributárias e administrativas para retomar investimentos (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Foi uma fuga do fogo cruzado que se transformou Brasília nos últimos dias com disputas na base do governo. Convidado pelo deputado federal Daniel Trzeciak (PSDB) a palestrar em Pelotas sobre a atuação do parlamento diante da crise política e econômica do país, Rodrigo Maia (DEM) falou sobre investimentos na BR-116, Reforma da Previdência e redistribuição de recursos a municípios.

Nesta sexta-feira (18), durante pouco mais de duas horas, o presidente da Câmara dos Deputados assistiu a uma apresentação de dados socioeconômicos da Zona Sul e respondeu a perguntas de prefeitos, empresários e outras autoridades que não chegaram a lotar o auditório Dom Antônio Zattera, da Universidade Católica de Pelotas (UCPel). Entre as principais dúvidas, os motivos para que obras demorem a ser concluídas e alternativas legislativas para retomar o crescimento do país.

"A sociedade continua pagando muitos impostos, os serviços continuam piorando e a capacidade de investimento diminuindo. Onde o Brasil podia ir com endividamento, já foi. O orçamento faliu. É por isso que a BR-116 e mais de mil obras de creches estão paradas em todo o país", apontou.
Principal articulador da aprovação das novas regras previdenciárias, Maia defendeu o aval da Câmara à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) paralela destinada a promover alterações também nos regimes próprios estaduais e municipais. "A Reforma da Previdência precisa ser no controle das despesas. O compromisso é votar para os estados e municípios", afirmou.

Pressionada pela falta de recursos, Paula Mascarenhas (PSDB) cobrou o avanço de uma revisão no pacto federativo. A prefeita de Pelotas pediu apoio de Maia na articulação de um projeto que dê mais autonomia aos municípios. O deputado concordou, mas disse que no momento há outros itens prioritários na pauta legislativa para reorganizar o orçamento federal. "Quem prometer de hoje para amanhã transferir recurso para os municípios está mentindo. O pacto federativo é fundamental, mas antes temos que fazer as reformas", respondeu, referindo-se às propostas de revisão tributária e administrativa.

Panos quentes nos atritos

Apesar da distância de Brasília, Rodrigo Maia não deixou de comentar a crise política envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e seu partido, o PSL. Rachada, a sigla com a segunda maior bancada da Câmara é considerada fundamental para a aprovação das reformas em discussão. No entanto, o deputado minimizou o impacto das brigas na pauta do Congresso. Maia disse esperar "um momento de mais organização para que isso seja um sinal de maturidade de todos na política".

Após citar por várias vezes a necessidade de entendimento entre os poderes e o papel do Legislativo para aprovar os projetos, o deputado evitou falar sobre críticas do Palácio do Planalto ao Congresso. "Do Planalto não, mas das redes sociais e do entorno do presidente, sim. Isso me preocupou no início, mas hoje tenho foco muito objetivo de que a Câmara precisa cumprir seu papel. Temos que saber separar as coisas e isolar esses movimentos."

Churrasco e cafezinho

Com chegada prevista para o meio-dia, Maia desembarcou no aeroporto de Pelotas com uma hora de atraso. Seguiu para o almoço em uma churrascaria, entrevista na Rádio Universidade e fez parada rápida para fotos no Café Aquários. Só depois, com atraso, iniciou a palestra na UCPel.

Para o deputado Daniel Trzeciak, a presença do presidente da Câmara dá mais visibilidade a temas da região e aproxima as comunidades locais dos principais assuntos em discussão no cenário nacional. "É a oportunidade para conversarmos e recolocar Pelotas e a Região Sul no centro dos debates", comentou.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados