Respingos

Briga no PP causa mudanças no governo

Próximo de Fabrício Tavares, secretário de Qualidade Ambiental é demitido após vereador apoiar candidatura de Fetter Jr. à prefeitura

16 de Setembro de 2020 - 21h19 Corrigir A + A -

Por: Vinicius Peraça
vinicius.peraca@diariopopular.com.br 

Titular da SQA foi demitido pela prefeita Paula (Foto:  Janine Tomberg - Ascom)

Titular da SQA foi demitido pela prefeita Paula (Foto: Janine Tomberg - Ascom)

Não ficaram restritos à esfera partidária os reflexos do conflito interno vivido pelo Progressistas de Pelotas. Em meio à troca de farpas entre Roger Ney e Fetter Jr. pela definição do rumo eleitoral do partido, quem acabou atingido foi o secretário de Qualidade Ambiental, Felipe Perez, demitido pela prefeita Paula Mascarenhas (PSDB).

Amigo do vereador Fabrício Tavares (PP) e seu substituto na SQA desde o final do governo Eduardo Leite (PSDB), Perez foi comunicado do afastamento do comando da pasta na sexta-feira e o ato oficializado na terça. Porém, somente nesta quarta-feira (16) o Executivo seguiu a praxe de informar exonerações no primeiro escalão e agradecer pelos serviços prestados. O novo responsável pela área ambiental passa a ser Eduardo Schaefer, que deixa a Secretaria de Administração e Recursos Humanos. Até sexta, o seu substituto será definido.

“A prefeita me comunicou da saída por eu estar ligado ao vereador Fabrício. Ele é meu amigo, desenvolvemos um trabalho juntos, sou seu apoiador. Por estar do lado dele acabei sendo exonerado”, afirma Perez. Além do secretário, também deixaram os cargos dois assessores vinculados a Tavares. “Ao desmanchar uma equipe que estava trabalhando quem sai perdendo é a sociedade, não sou eu. Lastimavelmente o momento político acabou dessa maneira para mim”, completa o ex-secretário.

A ligação com Tavares não provocou saídas somente na SQA. Em pelo menos outras duas pastas - Educação e Desporto (Smed) e Segurança Pública (SSP) - houve demissões de chefes de departamentos apadrinhados pelo parlamentar.

“Está bem claro que é uma represália a mim por defender que o PP tenha um candidato próprio à prefeitura. Que eu saiba ninguém do partido foi desligado, somente aqueles que fiz a indicação por entender que tinham capacidade para as funções”, reclama Tavares.

Movimento natural

Paula admite que a proximidade de Perez e demais servidores exonerados esta semana tem como razão a proximidade com Fabrício Tavares e sua articulação em favor da ruptura do PP com o governo. “Os secretários são cargos de agentes políticos, de absoluta confiança e devem ser ocupados por pessoas que acreditam e estejam alinhadas com o governo e o projeto defendido por este. No momento em que uma dessas pessoas é indicada por alguém que não mais está trabalhando pelo projeto, este movimento é natural. É da política”, justifica.

Embora não tenha promovido alterações entre ocupantes de cargos comissionados filiados ao PP - Perez era do PSD e atualmente está sem partido -, a prefeita aguarda o resultado dos embates progressistas para decidir o futuro dos espaços ocupados pelo partido. Atualmente, a sigla conta com cinco postos no primeiro escalão (secretarias e presidência de órgãos municipais) e outros nomeados em funções de segundo e terceiro nível. “Ainda não discutimos com os integrantes do PP que estão nos apoiando o futuro deles no governo.”

Entenda

Defensor de candidatura própria do Progressistas ao Executivo, abandonando a base de apoio à reeleição de Paula, Fabrício Tavares é signatário de pedido de abertura de processo ético no partido que originou afastamento liminar de Roger Ney da presidência do diretório local. A medida ampliou a possibilidade de Fetter Jr. ser registrado como candidato do PP à prefeitura em oposição à atual prefeita.

Em convenção no dia 1ª de setembro, a indicação de Roger Ney como vice de Paula venceu a opção de formar chapa de oposição sob liderança de Fetter Jr. Desde então, o ex-prefeito e aliados na sigla apontam irregularidade na inscrição de Roger Ney na convenção. Em julgamento feito por líderes estaduais do PP no dia 9, o resultado da votação local foi anulado e Fetter indicado como candidato à prefeitura.

A decisão levou a batalha à Justiça Eleitoral, que até o momento mantém a candidatura de Fetter Jr. Ontem, Roger Ney disse que prepara novos recursos ao Judiciário e à direção nacional do PP para tentar retornar à presidência do diretório e reverter a anulação da convenção municipal. Enquanto isso, Fetter atua na formação de uma frente de partidos de centro-direita que o apoiem.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados