Pandemia

Azonasul apela por restrições em apoio a Pelotas e Rio Grande

Entidade estuda lockdown regional para evitar colapso na saúde por falta de leitos de UTI

06 de Agosto de 2020 - 20h38 Corrigir A + A -

Por: Vinicius Peraça
vinicius.peraca@diariopopular.com.br 

Pinheiro Machado foi o primeiro município a anunciar mais rigor no controle de aglomerações e na fiscalização de medidas sanitárias (Foto: Divulgação - Prefeitura)

Pinheiro Machado foi o primeiro município a anunciar mais rigor no controle de aglomerações e na fiscalização de medidas sanitárias (Foto: Divulgação - Prefeitura)

A Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul) está recomendando aos gestores de todas as cidades da região que ampliem restrições a atividades e circulação de pessoas e apertem a fiscalização. O apelo foi feito nesta quinta-feira (6) pelo presidente da entidade e prefeito de Arroio Grande, Luís Henrique Pereira (PP), como um sinal de alerta diante do agravamento da crise de saúde provocada pelo coronavírus.

Em carta encaminhada a todas as cidades, Pereira sugere medidas mais severas para tentar conter o crescimento acelerado do contágio e, sobretudo, o aumento das internações. Nos últimos dias, Pelotas e Rio Grande alcançaram 90% de ocupação dos leitos de UTI destinados a pacientes com Covid-19.

As duas cidades são as únicas com estas estruturas para tratamento intensivo e responsáveis por acolher pacientes em estado grave de toda a Zona Sul. Por conta disso, o documento da entidade indica que ambas estariam assumindo o ônus e sendo obrigadas a adotar “medidas mais duras e penosas para as suas comunidades”.

A recomendação teve concordância de todos os prefeitos da região. O primeiro município a anunciar mais rigor no controle de aglomerações e descumprimento de orientações sanitárias foi Pinheiro Machado. Nesta quinta à tarde praças públicas foram isoladas e quem circulava pelas ruas sem máscara foi abordado e advertido. A prefeitura justificou as ações como forma de aliviar a pressão sobre Pelotas e Rio Grande, “que se encontram à beira de um colapso”.

Lockdown regional na pauta

Por enquanto, a ação conjunta é de ampliação de restrições em nível local, com definições individuais. Porém, a Azonasul estuda adoção de lockdown em todas as 22 cidades caso o cenário continue grave.

Nesta quinta a associação questionou individualmente os prefeitos quanto à possibilidade de adesão simultânea ao bloqueio anunciado por Pelotas entre 20h de sábado e 12h de terça-feira. Contudo, a opção foi por reavaliar a proposta em outro momento. Consultada, Paula Mascarenhas (PSDB) defendeu a autonomia de cada gestor em definir medidas locais de enfrentamento à Covid-19. “Por outro lado, é claro que um esforço mais amplo da região tende a trazer maiores benefícios”, pondera.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados