Eleições 2020

No Chuí, governo será sem oposição na Câmara

Cidade já havia chamado a atenção na eleição 2020, ao ser um dos 33 municípios gaúchos onde prefeito não teve adversários

21 de Novembro de 2020 - 09h40 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Na fronteira. Cidade é uma das menores da região, com 6.770 moradores (Foto: Raw Photografic)

Na fronteira. Cidade é uma das menores da região, com 6.770 moradores (Foto: Raw Photografic)

Prefeito Marco Antônio Barbosa foi reeleito com 2.634 votos (Foto: Warda Ribeiro)

Prefeito Marco Antônio Barbosa foi reeleito com 2.634 votos (Foto: Warda Ribeiro)

Depois de ter sido reeleito sem nenhum adversário, agora o prefeito do Chuí, Marco Antônio Barbosa (DEM), prepara-se para governar sem qualquer tipo de oposição na Câmara. Os nove vereadores que ocuparão as cadeiras de 2021 a 2024 pertencem a apenas dois partidos: o próprio DEM e o PP, da nova vice-prefeita, Elisângela Caetano. PDT e MDB desapareceram da próxima composição do Legislativo.

Ao conversar com o Diário Popular, na manhã desta sexta-feira (20), o chefe do Executivo enfatiza que propostas mais polêmicas como a que instituiu a nova Planta de Valores do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) - e tornam a oposição peça fundamental para forçar o debate e provocar possíveis mudanças - já foram aprovadas ao longo deste mandato. "Não temos nenhum projeto polêmico previsto".

Marco Antônio Barbosa aproveitou para destacar a participação da comunidade, ao ir às urnas no último domingo, ainda que para ser reconduzido ao cargo dependesse de apenas um voto. "Os quase 80% que recebi mostram que fomos, de fato, aprovados. Isso é muito importante para referendar nossa gestão", reforçou.

Os desafios que estão pela frente

O clima é de expectativa pelo impacto que está por vir com uma eventual segunda onda da Covid-19, na região. O comércio é o grande responsável pela movimentação econômica do município e, neste momento, permanece em vigor a medida Zero Quilo, instituída pelo governo uruguaio para proibir a compra de mercadorias em território brasileiro, como prevenção da propagação do coronavírus.

A torcida do governo chuiense é para que duas ações voltem a aquecer a economia: promoções direcionadas à população de Santa Vitória do Palmar e o aluguel de imóveis aos uruguaios, na Barra do Chuí, ao longo da temporada de verão, quando voltariam a consumir no Brasil enquanto não retornam para casa. "Me preocupo com o que ocorrerá em 2021, se a nossa temporada, que sempre dá um fôlego econômico para cidade, não for boa", admite o prefeito.

PDT promete se reorganizar

Uma comissão provisória deverá ser constituída para assumir o diretório municipal do PDT. Contatos já foram feitos com as executivas estadual e nacional, para que um novo grupo passe a responder pelo partido, no Chuí. "Por uma inépcia imensa da executiva municipal foram perdidos os prazos para inscrever os nossos candidatos. Foi um caso de omissão ostensiva", afirma o representante jurídico do PDT, Roberto Osório.

E faz questão de lembrar que a sigla possui entre 450 e 500 votos cativos; mais do que suficientes para reeleger o atual vereador José Talayer, que acabou ficando de fora da disputa.

Saiba também

- PT também desapareceu da Câmara: Ainda durante esta legislatura, o Partido dos Trabalhadores ficou sem a única cadeira que possuía. Alencar Rocha Borges migrou para o PP e, agora, acaba de se reeleger em primeiro lugar, com 551 votos.
- Em Pedras Altas, prefeitura também não contará com oposição: O prefeito Luiz Alberto Perdomo (PP) e o vice José Volnei Oliveira (PT) também deverão administrar sem qualquer enfrentamento da Câmara. Dos nove vereadores eleitos, três são do PP e seis são do PT.
Chuí e Pedras Altas são as duas únicas cidades da Zona Sul em que o fenômeno irá ocorrer.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados