Novidade

Governo do Estado lança programa TEAcolhe

Política pública para atendimento de pessoas com Transtorno do Espectro Autista prevê implantação de 30 centros regionais e sete macrorregionais

05 de Abril de 2021 - 19h01 Corrigir A + A -
Iniciativa será conduzida por um comitê com representantes de quatro secretarias (Foto: Gustavo Mansur - Palácio Piratini)

Iniciativa será conduzida por um comitê com representantes de quatro secretarias (Foto: Gustavo Mansur - Palácio Piratini)

O mestrando em Informática na Educação, youtuber, autista e programador Willian Chimura foi o condutor do evento (Foto: Gustavo Mansur - Palácio Piratini)

O mestrando em Informática na Educação, youtuber, autista e programador Willian Chimura foi o condutor do evento (Foto: Gustavo Mansur - Palácio Piratini)

\

\"No momento em que o governo do Rio Grande do Sul lança um projeto como esse, tira da sombra milhões de famílias\", disse Mion (Foto: Gustavo Mansur - Palácio Piratini)

O governo do Estado lançou nesta segunda-feira (5), por meio de decreto assinado pelo governador Eduardo Leite (PSDB), a Política de Atendimento Integrado à Pessoa com Transtornos do Espectro Autista (TEA), também chamada de programa TEAcolhe, no Rio Grande do Sul. O evento contou com a participação de convidados externos, entre eles famílias que convivem com o TEA, o mestrando em Informática na Educação, youtuber, autista e programador Willian Chimura e o apresentador de televisão Marcos Mion.

A participação de pessoas que convivem com o TEA, direta ou indiretamente, reforça a importância do acolhimento a essas famílias e às pessoas diagnosticadas com a doença. Além do apresentador de TV, cujo filho Romeo foi diagnosticado com autismo, contribuíram com depoimentos três famílias. O mestrando Willian foi o responsável por conduzir o evento, transmitido nas redes sociais do governo.

"O nome parece complicado, mas a ideia é bastante simples. É oferecer estrutura, apoio, amor e carinho às pessoas que têm TEA e também às famílias. Fico verdadeiramente muito feliz por estarmos aqui com tantas pessoas que entendem desse assunto e que nos ajudaram a formar essa nova política de atenção às pessoas com TEA em nosso Estado", disse o governador.

O TEAcolhe cria 30 Centros Regionais de Referência (CRR) e sete Centros Macrorregionais de Referência (CMR), com o objetivo de organizar e fortalecer as redes municipais de saúde, de educação e de assistência social no atendimento às pessoas com autismo e suas famílias. O decreto que estabelece a política, assinado nesta segunda-feira pelo governador, é baseado na Lei 15.322, de 25 de setembro de 2019, e regulamenta as diretrizes para implementação e execução dessa política de atendimento a pessoas com TEA.

"Esse formato também chama as prefeituras a se envolverem. As estruturas não podem ser estanques. Tem que envolver escola, posto de saúde, centros, atuando de forma integrada, porque é uma mesma população, uma mesma pessoa que está inserida em uma rede e precisa de atendimento integral, não compartimentado. Como governo, mobilizamos toda a nossa estrutura, e é a partir desse movimento integrado das secretarias e do comitê técnico que simbolizamos e sinalizamos a amplitude dessa política transversal coordenada pela Secretaria da Saúde. É um compromisso que estamos assumindo", detalhou Eduardo Leite.

Cada Centro Regional de Referência em TEA será destinado ao atendimento dos casos severos, graves e refratários da região, definidos por protocolo previamente estabelecido. As ações dos centros de referência em TEA poderão ser executadas, prioritariamente, por serviços públicos já existentes ou, de forma complementar, por instituições privadas, com expertise no atendimento às pessoas com autismo e suas famílias, sempre norteadas pelos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde, do Sistema Único de Assistência Social e do Sistema Nacional de Educação.

"Com essa política pública, os autistas terão mais acesso a atendimento de qualidade. Fico muito feliz em ver algo que participo desde Pelotas, com o Danilo Rolim de Moura, se tornar modelo para todo o Rio Grande do Sul", afirmou Luiz Henrique Viana, deputado licenciado e atual secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura. Viana criou na Assembleia a Frente Parlamentar de Conscientização sobre o TEA.

As equipes dos Centros Macrorregionais de Referência construirão, com apoio das equipes de Saúde, Educação e Assistência Social de cada município da macrorregional, projetos e propostas de intervenção que atendam às diferentes necessidades de cada realidade, promovendo vínculo interpessoal e apoio institucional, fortalecendo os diferentes espaços de atendimento, na perspectiva da inclusão, para que a pessoa com TEA seja atendida, de forma integrada e qualificada, em qualquer local por onde circular.

"Queremos, com esta iniciativa, garantir e promover o atendimento às necessidades específicas das pessoas com autismo, possibilitando o seu desenvolvimento pessoal e a sua inclusão social. O entendimento sobre o autismo ainda é recente, e precisamos seguir com o ensino e a pesquisa sobre a doença. A proposta foi construída inclusive com participação das famílias, e não parou, mesmo em meio à pandemia", afirmou a diretora do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde da Secretaria da Saúde, Ana Costa.

O investimento total do governo do Estado no TeAcolhe será de R$ 950 mil mensais. Os objetivos do projeto são qualificar os profissionais das diferentes áreas de atendimento no tema do autismo, sensibilizar a sociedade quanto à inclusão da pessoa com autismo e da família e horizontalizar o atendimento multiprofissional integrado à pessoa com autismo e à família.

"Vamos nos empenhar para que essa política seja transversal e permanente, e que possa fazer a diferença na vida das famílias e de todos aqueles que terão assistência com qualidade nos centros regionais. As pessoas terão acesso a uma política pública em defesa da vida, da infância até a parte adulta, com direito a um atendimento acolhedor, respeitoso, qualificado, estimulador e, acima de tudo, inclusivo", destacou a secretária da Saúde, Arita Bergmann.

A gestão da política será feita por um comitê formado por representantes das quatro secretarias envolvidas, instituições de ensino, de prestação de serviços e controle social. Também haverá um grupo técnico para, entre outras tarefas, oferecer suporte às gestões municipais, mapear os locais de atendimento e criar o sistema de cadastro e armazenamento de dados das pessoas com autismo no âmbito estadual.

"Essa é uma oportunidade única. No momento em que o governo do Rio Grande do Sul lança um projeto como esse, tira da sombra milhões de famílias. Está pegando na mão de mães desesperadas, de pais que simplesmente não sabem para onde correr, que acham que Deus virou a costa para eles, e vocês estão estendendo a mão para eles, trazendo luz para a vida dessas pessoas", destacou o apresentador Marcos Mion.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados