Sob nova direção

Câmara será dirigida por novatos em 2021

Presidente e demais cargos de comando do Legislativo de Pelotas escolhidos nesta sexta serão vereadores eleitos para o primeiro mandato

01 de Janeiro de 2021 - 17h55 Corrigir A + A -

Por: Vinicius Peraça
vinicius.peraca@diariopopular.com.br 

Carlos Queiroz 5496601-P

Eleitos para o comando do Legislativo em 2021 assumem cargos logo em seus primeiros mandatos (Foto: Carlos Queiroz - DP)

A renovação estabelecida pela eleição de novembro na Câmara de Vereadores de Pelotas não ficou restrita à mudança de dois terços da composição das bancadas. Também o comando do Legislativo será de novidades. Em sessão na tarde desta sexta (1º) que deu posse aos eleitos para o período de 2021 a 2024, a nova Mesa Diretora foi completamente formada por parlamentares em primeiro mandato.

A tarefa de coordenar os trabalhos de votação e administrar a Casa como presidente será de Cristiano Silva (PSDB), que venceu a disputa contra Fernanda Miranda (PSOL) por 16 a 5. O resultado foi garantido com os apoios das bancadas do PSDB (4), PTB (3), PP (2), PSB (2), PSD (2), DEM (1) e Cidadania (1), além do voto de Anselmo Rodrigues (PDT), que não seguiu acordo entre os partidos de oposição (PSOL, PT e PDT).

Aos 47 anos, o advogado assume a presidência da Câmara logo em seu primeiro dia em cargo público, já que nunca havia concorrido em eleições anteriores. Silva será acompanhado por Paulo Coitinho (Cidadania) como primeiro vice, Cesar Brizolara, o Cesinha (PSB), como segundo vice, Jair Bonow (PP) como primeiro secretário e Carlos Júnior (PSD) como segundo secretário.

Carlos Queiroz 5496602-PConforme o novo presidente, a formação da Mesa com políticos recém-eleitos é um sinal de entendimento sobre o recado dados pelas urnas. "A eleição renovou dois terços da Câmara e não faria sentido que isso não se refletisse também na direção da Casa. Somos novatos, mas queremos acima de tudo trabalhar com diálogo, transparência e pelo que for melhor para a cidade", diz Silva.

Em sua primeira experiência como parlamentar e dirigindo o Legislativo, o tucano deve ter pela frente a tarefa de em breve colocar em pauta projetos polêmicos do Executivo que foram impedidos pela Justiça de tramitar no fim de 2020, como a extinção da licença-prêmio dos servidores e o fim da gratificação a professores de alunos com deficiência. "Os projetos do funcionalismo ainda precisamos aguardar. A prefeita não conversou comigo sobre isso, até porque não se sabia se eu seria o presidente da Câmara", despista.

Ano difícil, diz Sizenando

Despedindo-se do cargo de presidente, José Sizenando (DEM) disse estar satisfeito com o desempenho da Câmara em 2021. O vereador lamentou que o ano tenha sido de parlamento fechado à população e com sessões virtuais. "Foi um ano atípico, de muitas dificuldades. Ficamos sem o contato olho no olho com as pessoas, mas acredito que o trabalho tenha sido positivo. Não vou destacar um ou outro projeto como mais importante porque tudo que passa por aqui, desde o pedido de troca de uma lâmpada até o projeto de maior impacto é relevante para a população".

Tendência de maior unidade governista

A eleição de Silva para o comando da Câmara pode ser considerada como um primeiro sinal de tendência de maior entendimento entre o governo de Paula Mascarenhas (PSDB) e seus aliados no parlamento. A dificuldade de manter a base conectada e votando nos projetos do Executivo é reconhecida pela prefeita como um dos pontos negativos do seu primeiro mandato. Desta vez, com uma articulação forte em torno da composição da Mesa, conseguiu agregar PP e PSB, adversários na última campanha à prefeitura.

Para o novo líder do governo, Marcos Ferreira, o Marcola (PTB), a meta é conseguir que as votações ocorram sem sobressaltos para o Executivo nos próximos meses. "Sem dúvida há mais unidade nessa composição atual da base do que antes. E conseguimos ainda trazer o PSB e o PP para esse diálogo, o que será importante", avalia.

Oposição na legislatura anterior e com uma campanha bastante crítica a Paula na eleição de novembro, o PSB não confirma que esteja consolidado como aliado governista. "Tivemos hoje a questão da Mesa, com convergências. Óbvio que somos parceiros dos partidos da base do governo, mas isso não está fechado", sinaliza Cesinha. Conforme o vereador, eventuais projetos polêmicos do governo serão estudados quando forem apresentados. "Não tivemos conversa com o PSDB sobre isso."

A nova composição da Câmara

PSDB
Dila Bandeira
Cristiano Silva - presidente
Paulo Sítio Floresta
Márcio Santos

PTB
Marcos Ferreira, o Marcola
Rafael Dutra, o Barriga
Anderson Garcia

PP
Michel Promove
Jair Bonow - primeiro secretário

PSD
Carlos Júnior - segundo secretário
Reinaldo Elias, o Belezinha

PSB
Cesar Brizolara, o Cesinha - segundo vice-presidente
Marisa Schwarzer

PDT
Cristina Oliveira
Anselmo Rodrigues

PSOL
Fernanda Miranda
Jurandir Silva

PT
Miriam Marroni
Sidnei Fagundes

DEM
José Sizenando

Cidadania
Paulo Coitinho - primeiro vice-presidente

Propriedade intelectual do Jornal Diário Popular

Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados