Editorial

Tempo demais na frente das telas

19 de Fevereiro de 2020 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

O uso cada vez maior - leia-se por mais tempo - de telas pelas crianças e adolescentes, principalmente por meio de aparelhos celulares, tablets e computadores, foi pauta de debate durante a 12ª edição do Safer Internet Day (Dia da Internet Segura), em São Paulo, evento realizado simultaneamente em 140 países com o objetivo de destacar ações de promoção do uso positivo, saudável e seguro da internet.

No painel Bem-estar na era digital no contexto brasileiro, a presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Luciana Rodrigues Silva, lembrou que a entidade focou-se nessa questão e trabalha para que os pediatras estejam, cada vez mais, capacitados para tratar do tema com seus pacientes, além do padrão de consulta tradicional, "em função das graves consequências à saúde desses indivíduos na vida adulta".

Luciana lembrou ainda dos fatores de risco aos menores quando o uso da internet se torna inadequado e não existe controle por parte dos responsáveis. Entre eles, a falta de afeto e abandono, a falta de limites, a violência familiar, o uso de drogas e a evasão escolar.

Monitorar e regrar o tempo de uso, por isso, são ações fundamentais para garantir uma vida mais saudável a crianças e adolescentes. E não apenas isso. Pais e responsáveis não podem abrir mão de dialogar com seus filhos, com respeito, para que desenvolvam valores éticos e humanistas, compreendam regras de convivência e evitem os riscos existentes no ambiente virtual.

Luciana resgatou, durante sua participação no evento, dados do estudo publicado no Cyberpsichology, Behavior and Social Networking, que avaliou 89 mil pessoas em 31 países, sobre a dependência da internet. O problema afeta hoje de 6% da população global. No Brasil, um a cada quatro adolescentes brasileiros já não consegue conviver sem a rede mundial, apontou levantamento da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), feito com mais de dois mil adolescentes, e que associou a questão a transtornos como a ansiedade.


Comentários