Artigo

Vamos conversar sobre a Reforma

31 de Outubro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Rodrigo Barbosa Soucedo, reverendo e teólogo

Caro leitor, creio que seus olhos foram direcionados até este artigo ponderando que possivelmente falaríamos sobre a Reforma Previdenciária tão debatida em nossa Nação, todavia, gostaria de conversar com você sobre outra reforma, aquela que celebra hoje seu 502º aniversário: a Reforma Protestante, movimento da Igreja Cristã no século 16.

Igreja Cristã é a conceituação dada ao movimento iniciado pelos seguidores de Cristo no primeiro século, o qual se propõe a ensinar os princípios do Filho de Deus sobre a vida humana e sobre o relacionamento do homem com Deus e com próximo. O próprio Jesus, no evangelho de Mateus 16.18, define o padrão que constituiria esta comunidade: Ele, Jesus, seria o cabeça e construtor, enquanto os homens piedosos, através do santo ensino incrustado em suas mentes e corações, seriam as hábeis ferramentas para edificação do Reino de Deus.

Um plano desta magnitude poderia ser deturpado? Existiria a possibilidade da Igreja ao longo da história se distanciar do projeto inicial de seu Fundador? A reposta para estas duas perguntas é simples: sim. Logo após a morte de Jesus, as igrejas iniciadas já estavam se corrompendo, como podemos ver nas cartas do Apóstolo Paulo e no Apocalipse de João, e séculos mais tarde, a Reforma Protestante corrobora tristemente com esta premissa de deterioração dos ensinos de Cristo por parte de seus fiéis.

A Reforma Protestante foi um vigoroso movimento de revitalização da Igreja Cristã ocorrido na Europa. Seus grandes personagens foram Martinho Lutero (Alemanha), João Calvino (Suíça), Menno Simons (Holanda) e Thomas Cranmer (Inglaterra). A Reforma deu origem a denominações históricas do protestantismo: a Igreja Luterana; a Igreja Reformada (presbiterianismo); a Igreja Anglicana e a Igreja Anabatista.

Martinho Lutero (1483-1546) foi o grande expoente da Reforma Protestante. Nascido em Eisleben, na Turíngia, região central da Alemanha, membro de uma família religiosa de mineiros, estudou Direito na Universidade Erfurt. Sua vida como religioso teve início em 1505, após viver uma experiência de quase morte quando foi atingido por um raio. Após clamar a Santa Anna por sua vida, ele prometeu à santa, caso sobrevivesse, que ingressaria na vida religiosa, fato que ocorre algumas semanas após seu restabelecimento.

Em meados de 1510, já ordenado sacerdote, é enviado até Roma e lá descobre que a cúria passava por sérios problemas financeiros devido à construção da Basílica de São Pedro.

Os líderes religiosos encontraram uma maneira simples para resolver este problema. Eles instituíram a venda de indulgências para a obtenção do perdão de pecados. Indícios relatam que até mesmo pessoas já mortas foram incluídas nos "cálculos sagrados", para que mesmo depois do óbito adentrassem o Reino dos Céus. Lutero não viu essa prática com bons olhos e saiu de Roma incomodado com esta situação. Anos mais tarde ele foi, então, transferido para Wittenberg.

No dia 31 de outubro de 1517, Lutero foi até a Catedral de Wittenberg, pregando nas portas dela o registro de suas 95 teses contra a comercialização da fé e outros assuntos. Seu intento inicial não era de começar uma revolução, mas convocar seus oponentes para um debate - prática comum na época e algo que jamais ocorreu. Entretanto, este fato desencadeou vários processos que culminaram na cisão entre a Igreja Católica Romana e diversos grupos que apoiaram a causa Luterana e a premissa de que a salvação só é obtida através da fé.

Os benefícios da Reforma Protestante também são percebidos na sociedade. A influência dos Reformadores conduziu mudanças cirúrgicas em diversas áreas; eles incentivavam o rompimento entre a Igreja e o Estado, ensinando que os mesmos são forças paradoxais, criadas por Deus para o cumprimento de seus propósitos na Terra. Incentivaram também a leitura, disponibilizando bíblias em língua vernácula. Além da inegável influência que João Calvino, reformador em Genebra, na Suíça, na formação do pensamento político-econômico que hoje conhecemos.

Conclusão - Toda reforma é importante, a reavaliação de conceitos e valores nos leva à consciência exata dos projetos em desenvolvimento e de seus resultados. A Reforma Protestante foi uma voz de liberdade que ecoou em rincões europeus no momento que o povo estava sendo oprimido e que precisava retornar a uma religião biblicamente saudável.

Hoje é dia de festa, então vamos celebrar recordando a nossos corações o cancionado lema da Reforma, "uma igreja reformada em constante reforma", porém amanhã, sejamos conduzidos a uma reavaliação crítica de nossa religiosidade e do impacto social que estamos desencadeando como cristãos na nossa cidade, porque talvez seja tempo oportuno para uma nova Reforma. 

Que Deus nos abençoe. Nos laços de amor do Crucificado.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados