Opinião

Unidos no combate à criminalidade no campo

25 de Junho de 2018 - 07h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

A criminalidade no campo tem gerado dor de cabeça a produtores de todo o país. Na Metade Sul do Estado, Bagé foi a primeira cidade gaúcha a instalar, há dois meses, a Delegacia Especializada em Crimes Rurais e Abigeato no Rio Grande do Sul.

Nas investidas de criminosos vale tudo, roubo, tortura, maus-tratos, morte. Diante dos dados levantados pelo Observatório da Criminalidade no Campo, criado em 2017 pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), veio a necessidade da união de esforços.

Na última semana, a CNA firmou parceria com o Ministério Extraordinário da Segurança Pública. A meta é atuar de forma conjunta para prevenir e combater a criminalidade no campo. A cooperação prevê, entre outros pontos, a inclusão do tema na pauta da Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (PNSPDS), além de medidas para a redução de ocorrências e viabilização de investigação criminal e a futura criação de uma comissão formada pela CNA e o governo para discutir propostas para a segurança no campo.

O Observatório da Criminalidade no Campo foi criado em 2017 pela CNA, por meio do Instituto CNA, para oferecer aos produtores e aos trabalhadores rurais um espaço para relatos sobre a ocorrência de algum crime ou ato criminoso em sua propriedade.

A comissão conjunta atuará ainda na identificação de iniciativas de prevenção e combate à violência nas áreas rurais, difundindo as boas práticas e incentivando a expansão das já existentes.

A iniciativa é uma ação complementar ao projeto de lei que instituiu o Sistema Único de Segurança Pública, sancionado pelo presidente da República, Michel Temer, na última semana. O Susp propõe o envolvimento dos entes federados para a prevenção e o enfrentamento da violência no Brasil.

Para ajudar na coleta dos dados do Observatório, os produtores rurais podem oferecer denúncia anônima através do envio de foto, áudio ou vídeo para (61) 99834-7773.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados