Editorial

Um rastro de prejuízos

30 de Maio de 2020 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

É urgente que o Brasil discuta formas para retomar a atividade econômica e manter, ao mesmo tempo, a segurança da população enquanto o país viver o pico da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Buscar esse equilíbrio e criar um ambiente que permita trabalhar e prevenir, ao mesmo tempo, terá força para evitar um cenário ainda mais grave face ao que se forma mês a mês. E a cada dia que passa, sem respostas mais efetivas, mais vítimas da crise ficam pelo caminho.

O saldo de abril da tsunami criada pela Covid-19 na economia brasileira - e em vários países, em vários continentes - foi terrível. Serviço, comércio e indústria registraram números assustadores, com índices negativos quase nunca observados.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que passou a acompanhar os principais segmentos, já adiantou que o bom desempenho dos indicadores no primeiro bimestre de 2020 "foi bruscamente revertido a partir de março". De acordo com o órgão, o setor mais atingido até agora é a indústria _ o destaque negativo em março foi a produção total de automóveis (-95%), com previsão, ainda, de uma retração de 36,1% em abril em relação ao mês anterior.

Já no comércio varejista, as vendas encolheram 34,7% no terceiro e quarto mês, enquanto o setor de serviços acumulou severamente o impactado da pandemia.

Por sua vez, a indústria alimentícia, com crescimento de 0,5% em março, tem previsão de queda de -14,7%. E assim sucessivamente são registradas marcas abaixo de zero em outros setores, como a produção de derivados de petróleo e biocombustíveis, de artigos químicos, de produtos de borracha e plástico, de equipamentos de informática e produtos eletrônicos, de máquinas, aparelhos e materiais elétricos, de equipamentos de transporte e de produtos manufaturados.

Por isso, governantes quebram a cabeça em busca de uma fórmula que, por um lado, seja segura a todos, e por outro impeça que os danos sejam ainda maiores a curto prazo.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados