Artigo

Tão velho quanto palácios

25 de Abril de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: William Waack

Nada tem de gratuito, maluco ou infantil os ataques contra o vice-presidente general Hamilton Mourão, lançados pelos círculos mais íntimos de Jair Bolsonaro, neles incluídos os familiares e o intelectual a quem o presidente atribui primeira importância. Trata-se de saber quem vai enquadrar quem. Em última análise, é uma luta pelo poder.

Intrigas palacianas são tão velhas quanto...palácios. Nesse caso, porém, não se trata de saber quem tem mais acesso ou consegue mais favores do dono do Palácio, mas, sim, de determinar a quem o dono do Palácio vai obedecer. 

Do ponto de vista dos assim chamados "ideólogos" juntinhos do presidente, faz todo sentido chamar Mourão de "conspirador". Pois o vice-presidente ganhou "Profil durch Kontrast", como diz a famosa expressão política alemã: ganhou contornos como figura política através do contraste oferecido pela atuação de outros. A confusão e até notória bagunça nas áreas sob domínio direto dos "ideólogos" no começo do governo é que transformaram Mourão num personagem identificado com pacificação, racionalidade e sensatez - não eram os atributos que se conferiam a ele durante a campanha eleitoral, por exemplo.

A "conspiração" atribuída a Mourão reside no fato - sempre sob a ótica dos ideólogos - de ele representar o que se poderia chamar de "núcleo duro" do poder no Palácio. Nesse sentido, os ideólogos estão atacando o que realmente interessa. Para os militares no Palácio, ao contrário do que propagam os "ideólogos", grande perigo não são comunistas e esquerdistas embaixo de cada cama. São o caos político e a bagunça institucional, ocorrências que os "ideólogos" consideram não só inevitáveis, mas até desejáveis na grande "revolução conservadora" que julgam serem capazes de conduzir.

É fato notório que esse grupo razoavelmente coeso de militares, egresso de algumas das melhores instituições de ensino no país (como são as academias militares) não só não abraça essas ideias (até as rejeita) e nem os métodos de ação (não se dedica a lacrar na internet, por exemplo). Nem parecem esses militares pensar em carreira política no sentido de disputar votos a cada eleição. Além, claro, de se dedicarem a preservar exatamente as instituições (como Supremo e Legislativo) que os ideólogos consideram "sistema" a ser derrotado.

Grupos exaltados e apegados à violência virtual das redes sociais têm dificuldades notórias de enxergar o plano frio das relações de força de fato, entendidas aqui como quem é capaz, em último caso, de comandar quantos seguidores nas ruas. O exemplo mais eloquente dessa perda de leitura da realidade foi fornecido pela direção do PT (começando por Lula) nas semanas que precederam o impeachment de Dilma, quando o partido dizia ser dono "das ruas" e apenas conseguiu demonstrar que as ruas não eram da militância petista - bem ao contrário.

Os "ideólogos" estão reagindo racionalmente ao perigo que identificaram de o presidente ser "tutelado" ou até "emparedado" por outro núcleo de poder, no Palácio e fora dele, que age com método, disciplina e organização. Provavelmente superestimam o fator "popularidade" do capitão, ignorando o fato de que grupos de WhatsApp estão longe de ser a tal "ação direta" com a qual facções desse tipo na franja da paleta política sempre sonharam, não importa a coloração.

Muito vai depender de o próprio Jair Bolsonaro ser capaz de escapar dos efeitos descritos por outra clássica expressão política alemã, a da "Bunkermentalität". Ela descreve um fenômeno palaciano tão velho quanto palácios. É o dono do Palácio, vivendo no mundo peculiar das suas paredes estreitas, e dando ouvidos só aos mais próximos não ser capaz de entender o que está acontecendo de fato lá fora.


Comentários