Artigo

Suicídio: "não ignore os avisos"

17 de Setembro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Manoel Jesus, educador
manoeljss21@gmail.com

O slogan já é um alerta: "não ignore os avisos". O Movimento Gente Ajudando Gente - o mesmo que participou da ajuda em favor dos venezuelanos que entraram no Brasil - se uniu com outras instituições objetivando salvar vidas através de campanha de prevenção ao suicídio no Estado. Objetivo: atenção aos sinais - muitas vezes desprezados ou ridicularizados - de pessoas propensas em tirar a própria vida.

Criado em 2014 pela Associação Brasileira de Psiquiatria - junto com o Conselho Federal de Medicina -, o Setembro Amarelo levantou dados a respeito de suicídio no Brasil, que já assustavam. O Gente Ajudando Gente trouxe para a realidade local esta preocupação: o suicida atenta contra a própria vida em torno de cinco vezes. O índice do RS é três vezes superior à média nacional: chega a quatro mortes por dia!

Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de drogas. Considerado tabu, tratado no recôndito dos lares e com medo de possíveis estigmas, fica encoberto pelo silêncio, sem ter resultados satisfatórios. A campanha torna pública uma realidade que precisa ser contada, conversada, compartilhada... Inclui uma série de atividades procurando minimizar as dores e ganhar espaço para a vida.

Não é fácil, mas existem indícios de um problema em potencial, hoje, especialmente com jovens: mudanças de atitude, que levam ao isolamento, desinteresse, aumento ou diminuição da alimentação, dormir demais ou de menos, agressividade... Até a forma como se expressam, dizendo que desejam morrer ou cansados de viver... Na iminência do perigo, o melhor, sempre, é buscar auxílio e acompanhamento profissional.

Uma conhecida dizia que o filho tinha "uma tristeza patológica" e tentara a morte. Repetiu a frase que lera numa publicação: "quando alguém pensa em suicídio, ela quer matar a dor e não a vida". Fiquei imaginando: se os números já tabulados assustam, o quanto ficaríamos preocupados se fossem contabilizados os casos em que, de alguma forma, familiares ou amigos conseguiram evitar o pior.

Ouvi de uma terapeuta que as pessoas se atrapalham ao acompanhar a situação, especialmente pela falta de informações. Disse: "não é drama, não é pra chamar atenção, nem é falta de Deus, muito menos frescura". Quem está próximo fica preocupado em dar "conselhos" ou em falar de religião, quando o emocional já está bloqueado. Neste momento, quem ama precisa demonstrar - muito mais do que dizer: "você não é um fracasso. Você não é um caso perdido. Você não precisa se machucar. Você é necessário. Você é amado. Você não está sozinho. Eu acredito em você!".


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados