Artigo

Suicídio: "me estende a tua mão"

29 de Setembro de 2020 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Manoel Jesus, educador - manoeljss21@gmail.com

O depoimento do religioso foi carregado de tristeza. Especialmente quando contou o caso do rapaz que praticou suicídio e sua congregação não queria permitir que o corpo fosse enterrado no cemitério da pequena localidade. Aos que diziam: "o senhor não pode!" ele respondia: "não sou eu que vou negar a chance deste infeliz chegar às portas dos Céus, lá, vai ser entre ele e Deus!" Já não haviam argumentos, mas sobraram corpos e mentes destroçados. De alguma forma, sentia-se responsável por não ter entendido aquele "grito silencioso por socorro".

Mesmo que já se esteja no final do setembro amarelo, com a proposta de se afinar os ouvidos para ouvir "um grito silencioso por socorro" é preciso entender que pessoas que chegam a este extremo estão desesperadas por acabar com a dor, não em dar cabo da própria vida. Acompanhou a família, mas tinha muita pena da dor em que passou a viver a mãe do rapaz, que repetia como um mantra: "ele era bom, ele era bom", como se tentasse se convencer de que, numa cultura enraizada no culto à vida, sua criança não havia cometido nenhum crime ou pecado...

Sua tristeza o levou para diante do Sagrado, onde se perguntou porque jovens, pessoas maduras e crianças chegam a este ponto. Recentemente, esta estatística silenciosa foi encorpada por homens e mulheres de religião que talvez tenham dado sinais de que esqueceram da beleza de sua missão para se transformar em empregados do sagrado ou burocratas de algum senhor, tendo perdido por completo o sentido de viver e não encontraram quem os pudesse auxiliar neste reencontro...

O suicídio é a ponta de um iceberg. A Unicamp publicou estudo demonstrando que 17% dos brasileiros já pensou em dar cabo da própria vida. O certo é que, na maioria das vezes, estes sinais são aparentes, sendo possível evitar que os pensamentos virem realidade. O primeiro e mais importante elemento é, com certeza, uma cultura da vida: não ter medo de falar a respeito, quando necessário buscando informações ou apoio de profissionais, já que os números são preocupantes: hoje, no Brasil, 32 pessoas por dia cometem suicídio.

Os números beiram a catástrofe quando se fala da população mundial: a cada 40 segundos uma pessoa se mata, totalizando quase um milhão de pessoas todos os anos. Estima-se que de 10 a 20 milhões tentam, a cada ano. O efeito se transforma em cascata ao se perceber as consequências, especialmente na família: de cada suicida, de seis a dez outras pessoas são diretamente impactadas, sofrendo consequências difíceis de serem reparadas e aliviar pressões de cobranças sociais, culpa, remorso, depressão, ansiedade, medo, fracasso, humilhação...

Especialistas dizem que há um momento em que as marcas da dor são visíveis, mas ainda há resquícios da vontade de viver, resistindo ao desejo autodestruição. A Unicamp recomenda: "quem precisa ajudar não deve se preocupar com o que vai falar. O importante é estar preparado para ouvir". Não é hora de conselhos e apelos religiosos, mas consciência do desejo de dizer "me estende a tua mão!". Ou ser capaz de, juntos, lançar um brado por socorro...


Comentários