Editorial

Ser mulher em São Paulo

18 de Março de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

São Paulo, a cidade mais populosa do Brasil, é o recorte de uma dura e assustadora realidade. Na interminável metrópole, principal centro financeiro do país, ser respeitada como mulher é um desafio diário. A ponto de tornar a vida tensa em questões mais básicas, onde deveria prevalecer a harmonia em uma sociedade que insiste em práticas machistas, preconceituosas e criminosas.

O lado mais difícil disso está evidenciado na pesquisa Viver em São Paulo: Mulher e a Cidade, realizada pela Rede Nossa São Paulo, em parceria com o Ibope Inteligência. Além de dados sobre a qualidade de vida das mulheres, o estudo mostrou a desigualdade de gênero.

Em São Paulo, 52% das mulheres já sofreram algum tipo de assédio - 38% delas dentro de transporte coletivo, aumento de 13% em relação a 2018. Além disso, 44% das paulistanas acreditam que correm mais risco de sofrer algum tipo de assédio no transporte público, enquanto 23% citam as ruas.

A pesquisa também indicou que 24% foram vítimas de algum tipo de preconceito ou discriminação no ambiente de trabalho por ser mulher, avanço de 5% na comparação com o ano anterior. Em relação à idade dessas, 30% têm entre 16 e 34 anos e 35% têm ensino superior completo.

O Viver em São Paulo: Mulher e a Cidade mostrou ainda que 26% das entrevistas se sentem mais à vontade em denunciar casos de assédio e violência pelo telefone (como 180 e 181); 24% presencialmente em delegacias voltadas ao público feminino; 18% por aplicativos de celular; 14% pela internet (e-mail, páginas ou redes sociais) e 6% em ONGs que atuam para auxiliá-las.

Já em relação à família, 36% ficam mais com o filho do que a outra pessoa que cuida e 33% não dividem os cuidados com ninguém - 69%, portanto, cuidam sozinhas ou quase sozinhas dos filhos.

Apesar de ter sido feita em São Paulo, os cenários da pesquisa não deixam de ficar próximos de realidades em outras áreas do país, onde a luta ainda é por garantir direitos básicos, como a liberdade e a vida.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados