Editorial

Quanto mais ciclovias, melhor

24 de Julho de 2018 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Um estudo replicado pelo portal Saúde Brasil, do Ministério da Saúde, e realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com a Universidade de Melbourne, na Austrália, mostra que cidades como Pelotas estão no caminho certo ao investir na construção de ciclovias e ciclofaixas. De acordo com o trabalho, a oferta desses locais está diretamente associada ao aumento da quantidade de ciclistas.

No caso de Pelotas, mais dez quilômetros de áreas exclusivas aos ciclistas estão sendo incluídos no mapa viário da cidade (alguns projetos ainda estão em obras), nas avenidas Duque de Caxias (Fragata - 5,2 quilômetros), Juscelino Kubitschek de Oliveira (Centro - 1,69 quilômetro) e Domingos de Almeida (3,16 quilômetros). Em 2016 Pelotas já oferecia aos usuários 29 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas, superior, inclusive, a Porto Alegre naquele momento. Atualmente a extensão chega a cerca de 50 quilômetros, interligando ruas e avenidas, em diversos bairros. Vale lembrar ainda que tais espaços fomentam as pessoas a andarem mais a pé.

É cada vez mais importante, por isso, aos municípios, investirem nesse tipo de modalidade de transporte, seja no deslocamento para o trabalho ou a lazer. Cada bicicleta em uso significa um automóvel a menos em circulação e mais pessoas se exercitando.

Segundo a ONG Mobilize, 36% das viagens cotidianas realizadas nas cidades do Brasil são feitas a pé, enquanto 4% de bicicleta - 80%, portanto, ainda fazem uso de ônibus, carros e motos.

As pistas exclusivas estão aí, para serem exploradas por todos, crianças, jovens, adultos e idosos. Com algumas correções e adaptações a serem feitas, mas também com grande possibilidade de interligação entre os bairros. E nunca é demais lembrar: quanto mais ciclovias e ciclofaixas construídas, menos veículos automotores e mais pessoas saudáveis teremos.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados