Artigo

Por que abandonei o Face?

17 de Junho de 2019 - 18h17 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Luiz Carlos Freitas _ Jornalista
lcfreitas55@gmail.com

Dei um tempo. Me afastei das redes sociais. A decisão causou surpresa e as mais diferentes interpretações entre amigas e amigos do Face. Faço o devido esclarecimento. A ideia me perseguia há meses. Me sentia refém, boa parte do tempo era consumida na internet, alerta íntimo soou me avisando que era hora de cair fora - libertar-me desta sutil prisão sem grades nem algemas. Geralmente eu publicava artigo ou crônica da "Entrelinhas" no Face, como forma de expandir os escritos além dos horizontes abarcados pelo Diário Popular e chegar a leitores que ainda não têm acesso ao Jornal. A receptividade era boa, com gente contra e a favor se manifestando livremente sobre os textos. Havia exageros, mas sempre dentro dos limites do razoável. Semana passada, artigo - em tom de crítica - sobre o vazamento dos diálogos entre o então juiz Sergio Moro e procuradores da Lava Jato, suscitou postagens exageradas, expondo intolerância e acirramento de ânimos. Foi a gota d'água. No domingo postei texto de agradecimento aos leitores e avisei que estava encerrando minhas atividades na rede social por tempo indeterminado. Elucido que a virulência dos debates sobre o tema "Moro" apenas antecipou resolução tomada anteriormente. Reitero: participar de redes sociais rouba tempo precioso, mantém o internauta preso, o impede de enxergar além do óbvio. Não bastasse, as horas despendidas nas redes sociais faziam falta - a consciência me cobrava diariamente - à minha atividade literária, porquanto escrever ficção exige foco, concentração, persistência e dedicação total. Nada há além dos motivos citados. Deixo o Face por questão pessoal, de escolha: optei pela liberdade de administrar melhor meu tempo e, também, evitar dissabores com pessoas que, para defender seus pontos de vista, ultrapassam fronteiras do bom senso, da tolerância e do respeito à liberdade de expressão. Quem lia meus textos apenas nas redes sociais, pode fazê-lo por meio das páginas ou site do Diário Popular. Todos serão bem-vindos!

EXPLICAÇÕES
Ministro da Justiça, Sergio Moro, vai ao Senado amanhã dar informações sobre o suposto conluio entre ele e os procuradores da Lava Jato. O site Intercept vem divulgando denúncias que comprometem a lisura da Operação. Moro se antecipa - e se explica - para tentar evitar eventual CPI.

OBVIEDADE
Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) banca pesquisa para descobrir o óbvio: investir em educação é eficaz para redução de homicídios. Os estudos apontam que acesso à escola é mecanismo fundamental para reverter tendência do aumento da criminalidade no mundo todo. Exato!

FARRA
Câmara dos Deputados pavimenta mais um caminho livre à eventual corrupção. Está pronto para ser votado esta semana projeto de lei que modifica a lei de licitações. Proposta prevê aumento do limite da dispensa de licitações de até R$ 100 mil para obras e R$ 50 mil no caso de serviços.

DESIGUALDADE
Deu no El País: no Brasil, de 2014 a 2019, os 10% mais ricos da população elevaram de 49% para 52% a fatia da renda do trabalho, apesar da crise econômica. Para os 50% mais pobres - antes da crise ficavam com 5,74% da renda do trabalho -,o percentual caiu para 3,5%, no primeiro trimestre.

RETA FINAL
Comissão especial pretende aprovar até dia 26 o parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a Reforma da Previdência. É a última etapa antes do debate em plenário. Presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), quer colocar o projeto em votação antes do recesso de julho.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados