Editorial

O pacote gaúcho para um estado falido

09 de Outubro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Não existe milagre a ser feito na economia do Rio Grande do Sul. O que existe são décadas de um planejamento que deixou de ser feito para prever que, uma hora ou outra, não haveria mais recurso para fazer o básico. A máquina inchou demais, as contas são maiores que as receitas, os benefícios superaram qualquer lógica salarial. O resultado, todos veem, acontece há vários meses, com o parcelamento cada vez maior no pagamento dos salários do funcionalismo e os investimentos restritos ao que a economia gaúcha permite. Comemora-se hoje a quitação de atrasados aqui e ali, e não mais as conquistas, as novidades, os projetos.

O governador Eduardo Leite (PSDB) tem pela frente o maior desafio de sua carreira política até aqui. A situação extremamente crítica do estado gaúcho não é nada comparado ao que ele enfrentou enquanto prefeito de Pelotas. As medidas que adota para reduzir os custos públicos e tentar, assim, ganhar fôlego para investir, pesam sobre seu mandato, que ainda não fechou um ano. Será um governo de ajustes, fortes ajustes, inadiáveis. De grandes sacrifícios. A casa precisa ser arrumada agora, sob pena de implodir.

Eduardo Leite deu início à apresentação das reformas estruturantes, assentado sob um cenário terrível: 82% da receita atual é destinado ao pagamento de pessoal. Ou seja, praticamente nada sobra aos demais compromissos. O pacote de seu governo foca, como foi divulgado, em contenção da despesa vegetativa, previdência, cargos comissionados, isenções e benefícios fiscais e reforma tributária. Chegará à Assembleia Legislativa ainda esse mês, mas antes passará por debate público. Para o governador, "não tem mais como adiar essas medidas".

Serão dias de longas e fortes análises, e buscar se informar sobre o que está sendo proposto - antes de simplificar tudo com a mera rejeição. O que não significa aceitar. O que está em jogo é o futuro. Não apenas do funcionalismo, mas de todo um estado.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados