Artigo

Not soldiers, but warriors

11 de Agosto de 2018 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Sergio Cruz Lima

Quando a guerra de 1914 explode, um grupo de índios onondagas encontra-se em Berlim como parte do espetáculo Wild West Show, que recria a vida do faroeste americano durante o período colonial. Atacados pelos alemães, os índios são aprisionados. Invocando um acordo firmado com George Washington, em 1783, que os reconhecia como um povo independente, os chefes da nação onondaga usam suas prerrogativas e declaram guerra aos impérios alemão e austro-húngaro.

Em 1917, os Estados Unidos declaram guerra à Alemanha e abrem o recrutamento de soldados. Cerca de 17 mil nativos são alistados. O maior contingente, entre cinco e seis mil, oriundos de Oklahoma, é integrado por índios das nações kiowa, seneca, wichita, sioux, arapaho, modoc, comanche, shawnee, cheyenne e wyandot. No total, 13 mil deles são chamados e quatro mil lutam na França; 200 morrem em ação. Os onondagas, que haviam declarado guerra à Alemanha, lutam no exército americano não como parte dele, mas, sim, como guerreiros de sua própria nação: not soldiers, but warriors.

Os índios passam a atuar em diversas áreas do exército americano: da cavalaria à polícia militar. Integram ainda grupos médicos, inteligência militar e engenharia, construindo pontes e trincheiras. Por sua vez, índias também se unem ao serviço militar. Tsirnina Redfeather, uma cantora da nação creek, popular na sua época, canta para os soldados no front; Anne Ross, índia cherokee, vai à França como membro da Associação de Jovens Cristãos; outras 41 são enfermeiras. Os nativos que não lutam na França, ou permanecem em grupos militares, ou perseguem Pancho Villa, no México, ou são destinados a reprimir greves de mineradores no Arizona, ou ainda enviados à Sibéria para arrostar o Exército Vermelho bolchevique. 

Em 1918, por ocasião da assinatura do armistício, as forças armadas americanas somam três milhões e 700 mil homens. Isso significa que os 13 mil índios representam 0,4% de seu contingente. Nesta ocasião, os índios ainda não possuem cidadania plena, apesar de já terem muitos anos de assimilação depois das "guerras indígenas", ocorridas no século 19. Diversamente do que acontecera durante a Guerra da Secessão, quando os iroqueses tiveram problemas em ser aceitos como parte do exército yankee por sua condição de nativos, em 1917 isso não fora questão de objeções. Após 50 anos de assimilação, os índios são considerados soldados em potencial. Ter participado da luta mundial, sem dúvida abre-lhes as portas da cidadania. Em 1919, recebem cidadania os heróis da França e, em 1924, é aprovada a Ata de Cidadania, que outorga plenos direitos a todas as nações indígenas norte-americanas. Vinte anos depois, em 1944, conquistam o direito de votar.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados