Editorial

Maus-tratos a animais. Vi, mas nada fiz

09 de Novembro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Uma das bandeiras atuais da sociedade, o combate aos maus-tratos dos animais, encontra cenários antagônicos quando o assunto envolve o flagrante do crime e a denúncia por parte de quem presencia atos que costumam causar revolta. No Brasil, a Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que existam hoje mais de 30 milhões de cães e gatos.

Uma pesquisa feita pelo Ibope Inteligência e Carrefour Brasil mostrou que 92% dos internautas do país já presenciaram algum tipo de maus-tratos. Entretanto, apenas 17% partiram para a denúncia.

Realizada com duas mil pessoas, com mais de 16 anos, no universo on-line, entre os dias 21 e 26 de outubro, a pesquisa revelou que 82% dos entrevistados se assumiram engajados na causa animal. Além disso, 67% afirmaram já ter presenciado animais abandonados em suas cidades; somente 32% já realizaram resgate e 30% adquiriram seus pets em eventos de adoção. Contudo, 44% das pessoas argumentaram que a melhor forma de ter seu primeiro pet seria adotando.

Animais passando fome (50%), passando sede (42%) e sendo agredidos (38%) foram os principais relatos de maus-tratos presenciados. Porém, apenas 31% doaram alimentos e 17% assumiram ter realizado alguma denúncia.

Também, conforme dados colhidos pelo estudo, 74% da população brasileira de internautas entregaria seu animal para adoção se realmente não tivesse condições de continuar com ele. E dos principais motivos para não ter mais a companhia nos lares, destacaram-se a falta de espaço: 31% assumiram que não ficariam com seu bicho de estimação se a casa fosse pequena para tê-lo; viagens: 27% deixariam o animal se precisasse viajar; e custos elevados: 19% disseram que o motivo do abandono/doação do pet seria o gasto que ele traz com cuidados veterinários.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados