Editorial

Mais educação, menos homicídios

25 de Outubro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Um estudo inédito anunciado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) relacionou como as oportunidades educacionais e de trabalho para homens na faixa entre 15 e 65 anos afetam diretamente a quantidade de homicídios no Brasil. Mais do que isso, apontou o crescimento da taxa desse crime em 1,8% quando o aumento do desemprego foi de 1%.

Segundo o Ipea, concluiu-se que a taxa de atendimento escolar (o número de matriculados em relação à população de sua respectiva faixa etária) também tem relação com a taxa de homicídios. A cada 1% a mais no atendimento escolar de jovens entre 15 e 17 anos, os homicídios caem 1,9%. Assim, os dados mostram que um maior acesso à escola contribui para diminuir a violência. Daí a importância de municípios e estados investirem com força e qualidade na educação, combaterem a evasão escolar e reforçarem a necessidade de as famílias caminharem juntas com os professores no desenvolvimento das crianças e dos adolescentes.

A pesquisa analisou apenas o grupo masculino por se tratar daquele com maior probabilidade de envolvimento com crimes, segundo diversos estudos. Em 2017, dos 35,7 mil jovens assassinados no Brasil, quase 95% eram do sexo masculino.

"Não há como desvincular política de segurança pública da questão do emprego e da educação", lembrou um dos pesquisadores, Daniel Cerqueira. O trabalho apontou ainda que a faixa etária dos 15 aos 17 anos é aquela em que o jovem migra do Ensino Fundamental para o Médio, e onde a evasão escolar torna-se um grande problema. Assim, manter o jovem na escola também é uma forma de impedir sua entrada no crime.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados