Opinião

Liberdade ou irresponsabilidade?

01 de Julho de 2022 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por João Ellera Gomes
Médico, ortopedista

Na nossa sociedade atual, o sexo é extremamente valorizado, a ponto da prostituição ser glamourizada em reportagens, entrevistas e novelas. As armas, por outro lado, são demonizadas como artefatos de morte, mesmo que possam ser utilizadas para o esporte ou proteção, ou como fator intimidatório pela polícia, através do seu porte ostensivo.

Um automóvel é um meio de locomoção utilizado por milhares de pessoas, tendo revolucionado o transporte ao longo dos últimos 100 anos. Mas tanto o sexo, como as armas e o automóvel têm em comum a possibilidade de, por displicência, tirarem a vida de outros seres humanos.

Recentemente um pai de família que matou um filho em casa com um disparo acidental foi indiciado por homicídio culposo, que é uma pena frequente para homicídios no trânsito. Por que, então, nem o pai e nem a mãe de uma criança abortada, especialmente após 20 semanas, não deveriam ser indiciados por nada?

Nos dias de hoje, as formas e métodos de contracepção são eficientes e acessíveis, não havendo desculpas para uma relação desprotegida. Se armas de fogo estão envolvidas em 40 mil mortes por ano e os automóveis em outras 50 mil, a estimativa de abortos anual no Brasil varia de 850 mil a um milhão de crianças. Isso sem falarmos nas centenas de mulheres que morrem em decorrência deste procedimento.

Num caso de estupro, como aconteceu há poucos dias, a lei prevê a possibilidade de aborto até 20 semanas, mas deveria prever também, além do indiciamento do agressor por estupro, o indiciamento por homicídio culposo. Não é possível relativizar nem amenizar, é preciso encarar a dura realidade dos fatos.

Quanto ao aborto de uma gravidez não planejada, resultante de uma noite na balada, o problema é ainda mais grave, pois estamos falando de uma relação consentida de ambas as partes, onde ambos assumiram os riscos. Não se trata aqui de uma questão de liberdade, mas de letal irresponsabilidade.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados