Artigo

Imobiliária 3.0

18 de Setembro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Silvio Castro, publicitário
silviocastro@k2ponto.com.br

O consumidor atual é digital. E também impaciente. E isso influencia totalmente os novos negócios. No segmento imobiliário não é diferente. E quem ajustou o seu formato comercial para o perfil atual já está se beneficiando.

O que significa isso? Que o consumidor moderno pesquisa, muito, on-line antes de tomar qualquer tipo de atitude. E quando toma uma atitude - leia-se entra em contato -, ele espera agilidade e clareza de informações. Exemplo disso: site lento para abrir no celular? Adeus cliente. Demora para responder contatos nas redes sociais? Adeus cliente. Não respondem e-mails? Não possui um WhatsApp comercial? Adeus clientes.

Atualmente, o Google é responsável por 50% do sucesso de qualquer empresa. Exagero? Se pensarmos que 99% do mundo usa o Google para pesquisar produtos e serviços, nota-se que essa porcentagem faz sentido. Quem não está presente nesse mecanismo de busca - lamento informar -, está perdendo vendas.

E os outros 50%? A outra metade é o que a empresa realiza em seu processo de marketing e comercial. Não basta estar presente no Google, pagando ou não. É preciso saber como está cada ponto de contato com a marca. O Google expôs isso em números, afirmando que 40% das pessoas abandonam um site se ele demora mais de três segundos para carregar. No mercado imobiliário, que tem muitas e pesadas imagens para exibir, este é um grande desafio.

Os compradores e interessados em um imóvel migraram definitivamente para o digital (até aí, nenhuma novidade), mas ter um site razoável ou explorar as redes sociais é muito pouco para obter sucesso com esses clientes. Para atingir as vendas, as empresas do setor imobiliário precisam, acima de tudo, oferecer uma experiência impecável, sendo presentes, úteis e rápidos. Ser presente significa ir além do básico, voltando o olhar para fortes tendências como YouTube, por exemplo. Para tornar-se útil ao cliente, postar imóveis no Facebook ou enviar ofertas por e-mail não vai adiantar. É preciso ensinar o consumidor a comprar e não simplesmente vender. E para ensinar o consumidor, nada melhor do que conteúdo planejado. Mas este é um tema para um próximo artigo.

Agora, o ponto mais crítico, é indispensável ser rápido. Sua imobiliária tem um site responsivo, otimizado com SEO, faz anúncios no Google Ads, conteúdo educativo, replica isso nas redes sociais, tem uma boa presença digital, mas demora 24 horas para responder um lead que fez contato on-line? As chances de converter essa venda foram diminuindo hora após hora.

Hoje é comum contatos terem retorno de corretores de imóveis apenas no dia seguinte a sua abordagem. E tendemos a achar isso normal. Só que isso não é normal, muito menos aceitável. É preciso ter uma forte presença on-line, mas também pensar e agir on-line. E para isso, dedicação exclusiva é muito importante.

Algumas alternativas para ganhar mais agilidade são: automatizar o primeiro contato com chatbots, possuir um CRM e aplicar lead scoring para medir a temperatura dos leads e ter um profissional dedicado aos contatos digitais.

O desafio principal está aí: ou mudamos o comportamento para o "digital" e suas consequências, ou de nada adiantará os esforços de marketing se ele for solenemente boicotado pelos corretores.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados