Artigo

Grêmio Atlético Farroupilha: obrigado coronel Poeta

24 de Julho de 2018 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Marcelo Oxley, jornalista

Que o Grêmio Atlético Farroupilha é o time mais "querido" de Pelotas, isso ninguém duvida. Talvez não esteja no mesmo patamar de outras equipes da cidade, porém o Fantasma, como é carinhosamente conhecido, ressurgiu das cinzas. Se hoje o Farroupilha ainda está vivo, é pelo esforço e a entrega de um homem que dedicou mais de 50 anos de sua vida, ao tricolor: o coronel Ewaldo Poeta, um exímio conhecedor da Língua Portuguesa, que nos deixou nesses últimos dias e pôde ver o seu Farroupilha trilhar uma nova história.

Poeta, nascido na década de 1920, viu, mesmo que ainda muito moço, o seu tricolor sagrar-se Campeão Gaúcho de 1935. Hoje, o Farroupilha apresenta ao Estado que a paixão pelo futebol ainda pode estar à frente ao "momento moderno" em que vive o esporte. No seu estádio, o glorioso Nicolau Fico, grandes histórias de um coronel, o verde, o amarelo e o vermelho. Antes de sua partida, mais uma glória: o Fantasma conseguiu uma vaga à Divisão de Acesso de 2019.

É importante destacar que "fazer" futebol na terra de áureo-cerúleos e xavantes não é nada simples: os patrocinadores nem sempre apostam na ideia. Além de tudo, é preciso muita inteligência para conseguir torcedores, uma vez que, por aqui, se respira um dos maiores clássicos do Brasil: o Bra-Pel.

Se o Esporte Clube Pelotas achava que o Acesso era desproporcional ao Gauchão, um verdadeiro inferno, não tem o entendimento do que é disputar a Segunda Divisão: jogos suspensos, campos em péssimas condições, dificuldades para viajar, arbitragem em "treinamento", falta de dinheiro pelo baixo reconhecimento, enfim, tudo que um dia já fora noticiado, mas que perdeu espaço em todos os meios de comunicação.

Depois da batalha e a classificação conquistadas em Bagé, o tricolor fragatense avança um degrau importantíssimo: o time que jogou "pelo emprego" terá mais notoriedade. Seu treinador, inclusive, já está sendo sondado por outras equipes do Brasil. Alguns jogadores já começam a despertar o interesse de outros clubes. Com certeza o seu quadro de sócios aumentará. Investidores já começam a "maquinar" novas ideias para o estádio. Patrocinadores pensam com carinho, naquela proposta que fora negada no primeiro momento. Enfim, futebol não é novidade, futebol é resultado. O Grêmio Esportivo Brasil sabe muito bem como funciona esse processo: logo aos grandes feitos de dentro dos gramados, o Xavante "aconteceu" e a sua estrutura é de causar uma saudável inveja.

O Farroupilha foi guerreiro, ousado; assim como o seu coronel gostava. Apostou num treinador novo, Antônio Freitas, e com novos pensamentos. Desta maneira, não mudou a sua filosofia. Foi criticado, mas seguiu em frente com os seus projetos.

Freitas, além de todas as dificuldades enfrentadas por um clube sem recursos financeiros, conseguiu vencer outro obstáculo, talvez o mais penoso de todos: fazer futebol nessa cidade e conseguir "calar" os seus críticos. Em Pelotas há um triste lema: "Se eu não tive êxito, ele não pode ter também".

A direção do Fantasma, a partir de agora precisa pensar o futuro. Precisa seguir um plano deixado por um dos seus maiores torcedores. Poeta deixou um legado de perseverança, honra e honestidade. O Farroupilha, em 2019, jogará por uma vaga à Elite do futebol gaúcho. Ainda há tempo de reformular a sua estrutura e buscar o mesmo feito de 2004, quando o tricolor conseguiu uma vaga para o Gauchão. Naquele ano, além dos olhares e conhecimentos de Poeta, o seu elenco tinha Alex Figueiredo, Leandro Guerreiro, Michel Gomes, Manga, Vagson, Dido, entre outros nomes estão gravados na história do Fragata.

Que agora, esses pequenos, médios e grandes patrocinadores olhem para essas cores com um carinho especial. O Farroupilha se tiver que contar apenas com o seu quadro de sócios, poderá estagnar em 2019. Além desses importantes membros, a comunidade também precisa abraçar o Fantasma, assim como o seu coronel fez por meio século, pois fazer futebol com todas essas adversidades citadas e na Terra de duas equipes que estarão na Elite em 2019, não será fácil.

Por essas coincidências, no mesmo ano em que o Farroupilha retorna "aos olhos" do futebol, perde o seu maior torcedor, administrador, o tricolor perde o seu verdadeiro amor. Mas, Ewaldo Poeta nos deixou um livro de ensinamentos: não apenas de como fazer futebol, mas de como ser íntegro e educado nesse complicado meio.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados