Opinião

Em busca do hábito alimentar do brasileiro

25 de Janeiro de 2020 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Com a parceria da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), será lançada neste domingo a plataforma digital NutriNet Brasil (https://nutrinetbrasil.fsp.usp.br/), campanha do Estudo NutriNet Brasil, que irá acompanhar 200 mil pessoas, durante uma década, em todas as regiões do país, para mapear as características da alimentação brasileira e identificar o quanto ela aumenta ou diminui o risco de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) frequentes, entre elas obesidade, diabetes, hipertensão, doenças do coração e câncer.


A proposta, financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, terá como diferencial o uso da internet na sua realização, para tornar o acesso mais democrático. Assim, qualquer um poderá participar. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), ao utilizar pela primeira vez a plataforma, a pessoa terá de realizar um cadastro e responder breves questões sobre sua alimentação e estado de saúde. Em duas semanas receberá ainda mensagens via e-mail ou SMS para preencher mais dois questionários simples e rápidos sobre a alimentação.


Durante o acompanhamento, novas notificações chegarão para responder outras perguntas sobre a alimentação, condições de saúde e demais fatores que podem influenciar o risco de doenças crônicas.
Nutricionista e coordenadora de Prevenção e Vigilância do Inca, Maria Eduarda Melo lembra que, além de compreender melhor a relação dos padrões de alimentação das várias regiões do país com o risco de DCNTs, incluindo o câncer, as informações serão úteis para subsidiar ações e políticas mais efetivas na prevenção do câncer.


O NutriNet, coordenado pelo Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo (Nupens/USP), também tem como parceiros Inca, Unifesp, UFMG, UFRGS, UFPel e Fiocruz (Rio de Janeiro e Bahia).


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados