Artigo

Depois que o coronavírus for embora...

08 de Julho de 2020 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Manoel Jesus, educador - manoeljss21@gmail.com

O pronunciamento do governador Eduardo Leite, na última quinta-feira (02), foi alerta e conclamação. O Rio Grande do Sul atinge o pior momento na pandemia, assim como a necessidade de mobilização da sociedade para que não se enfrente o pior dos piores: o estrangulamento do sistema de saúde e o caos no atendimento. O momento em que o volume de infectados precisando de unidades de tratamento intensivo seja tão grande que não se tenha mais recursos, inclusive humanos.

Como disse a jornalista Kelly Matos, a manifestação foi "dura, sensível e necessária". A síntese de um político preocupado em não medir esforços para que as decisões de saúde pública sejam sensatas; ao máximo, isentas de pressão e balizadas por indicadores técnicos. Que auxiliem a tomar decisões o mais próximo possível para a melhoria da qualidade de vida de quem já sofre com a doença, assim como vai ser vítima das consequências nas áreas econômica, social, educacional...

"Dura", porque há falta de consciência a respeito do problema, parecendo estranho que pessoas abastadas julguem-se fora do alcance do vírus. Assim como a população de periferia, com tantos problemas que este ainda parece ser dos menores diante da sobrevivência. Dito de forma clara e didática, estão ali elementos para um juízo de valores, faltando somente que o governo tenha que inserir em material publicitário pessoas perecendo arfantes para sentirem a dor da morte um contaminado...

"Sensível", na forma e jeito da apresentação. Eduardo usa de simpatia - e apela para a empatia - para mostrar que é governador de todos os gaúchos, num momento em que o que menos importa são diferenças ideológicas, políticas, religiosas, esportivas... A "grenalização" assim como a "brapelização" regional perdem sentido diante da sobrevivência e busca de formas para que, entre "mortos e feridos", escapemos todos, sabendo que, depois, poderemos voltar às antigas e eternas rixas...

"Necessária", porque há muita gente falando demais num momento em que é necessário concentrar a atenção numa liderança que pode até errar, mas tem mostrado disposição de conduzir o estado pelo rumo certo. Quando a crise chega a um momento como este, precisa-se apostar no que é apontado como caminho, baseado, especialmente, no conhecimento técnico. Exatamente o que se está vendo, embora comentaristas de plantão teimem em ver ferida no detalhe sem se dar conta de que o corpo pode morrer de infecção generalizada...

Depois que o coronavírus for embora, Maragatos e Chimangos podem voltar a exacerbar suas vaidades, num jogo político que transformou o estado no que é hoje: pobre e marginalizado. Cheio de problemas: gafanhotos à vista, ciclones, secas, vírus... faltando pessoas que poderiam estar conosco se déssemos ouvido à voz sensata de um estadista que foi duro, disse o que era necessário, sem ter perdido a ternura por sua gente...


Comentários