Artigo

Covid-19 e a superioridade ilusória

08 de Abril de 2021 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por Matheus Becker Freitas, biomédico, acadêmico de medicina e professor da Estácio-RS

A superioridade ilusória é um conceito usado na psicologia para descrever uma condição em que uma pessoa superestima suas próprias habilidades em relação às habilidades de outras pessoas. Você deve estar se perguntando o porquê de eu estar falando disso, certo? Aplica-se bastante ao que estamos vivendo em relação à covid-19.

No início da pandemia no Brasil, afirmou-se que ela produzia sintomas mais severos em idosos e em indivíduos com comorbidades prévias. Isso levou os jovens a um sentimento de que com eles nada aconteceria: eram imunes ao vírus. No entanto, a medida que o tempo foi passando, surgiu a variante conhecida como P.1, que foi resultado do descaso da população com a situação crítica vivida (mostrada nas imensas aglomerações no país), do negacionismo patente de certas autoridades e da demora em negociar a compra das vacinas contra a Covid-19. Esses fatores somados resultaram em um sentimento que vemos em todos hoje: o medo.

Afinal, o que é uma variante? Ela surge quando um microrganismo, nesse caso o vírus, sofre mutações. No caso do coronavírus, essa mutação apareceu na principal proteína do vírus - "Spike". Ela é a responsável por permitir que o vírus entre nas células e consiga se multiplicar. E quanto mais o vírus se multiplica, maior a chance de surgirem novas mutações.

A mutação P.1 promoveu mudanças nessa proteína, que fizeram com que ele conseguisse entrar nas células de forma mais eficiente e, com isso, mais pessoas serão infectadas, contribuindo para a disseminação maior do vírus.

E como isso tudo se relaciona com os jovens? Nesse momento, indivíduos de faixas etárias entre 20 e 50 anos sem comorbidades estão precisando de atendimento em UTIs. E as UTIs estão ficando sem vagas: o sistema de saúde todo está entrando em colapso. Nesse caso, devem-se abrir mais leitos, certo? A solução não é tão simples assim, pois há a necessidade também de mais profissionais da área da saúde para atender os doentes. E os profissionais da saúde estão esgotados, alguns se infectando novamente com essa nova variante do coronavírus: quanto mais profissionais infectados, menos trabalhadores teremos para atender os casos.

Como amenizar isso? Seguindo as regras claras: evitar aglomerações, usar máscaras, lavar as mãos, usar álcool gel. A vacinação está demorando, mas ela está vindo. Portanto, para evitar que novas variantes surjam, o apelo continua: fica em casa!

 

 


Comentários

VEJA TAMBÉM

Confira mais

REDES SOCIAIS

Diário Popular - Todos os direitos reservados