Artigo

Brasil da política, conversa fiada e miséria

10 de Outubro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Nery Porto Fabres, professor

Luis ouviu de Jorge que ouviu de Antônio que ouviu de pé de orelha de Rogério que o governo vai contratar chineses e não gerará empregos para os brasileiros. E Maria falou para Joana que a Mirian disse que Manuela vai impedir através de um projeto de lei. Assim, correm as asneiras ditas em portais de notícias criados nas redes sociais. O surpreendente é que as lufa-lufas dessas bobagens são práticas diárias de membros da classe média e alta. Então, a tecnologia tornou-se um aparato de guerra psicológica, o que torna questionável essas condutas quanto à evolução humana.

Os pobres, por sua vez, ficam na espreita para ver em qual lado irão soprar os ventos que carregam essas conversas bestas dos desocupados. Porque sem elas as suas vidas perdem o sentido. E a política sabe disso e se aproveita do momento para divulgar um número infinito de fofocas.

Todo o corpo político vibra com essa euforia dos internautas em divulgar toda a forma de comunicação simplória. Tem-se a sensação de um desastre inevitável nas urnas no próximo pleito. Chegarão aos primeiros lugares os estereótipos mais terríveis e mais dissimulados. Os honestos que resolverem concorrer terão apenas os votos de seus familiares.

Rogério ouvirá de Antônio que ouvirá de Jorge que ouvira por trás da porta de Luis que os vencedores estariam em meio às maracutaias de empresários do ramo da construção, dos alimentos, das empresas públicas e das universidades.

Sim! Voto se consegue com conchavos e com dinheiro, ou com bravatas em meio ao delírio dos sensacionalistas. Com certeza os representantes da democracia agem como egressos de manicômio, são indivíduos destituídos de quaisquer traços de equilíbrio mental e moral.

Nesse andar foi-se a esperança de uma sociedade civilizada que alcançasse o desenvolvimento. Alguns políticos clamam para soltar os seus cúmplices e condenar os seus inimigos. Quer-se uma balbúrdia com a velha estratégia da distração para saquear o Erário pela porta dos fundos. E são aprovados a Reforma da Previdência, verbas extras para os partidos, aumento dos salários do Judiciário. E os filhinhos de papai fazem graça no Facebook, enquanto a miséria arrasa as periferias. Brasil! Meu Brasil brasileiro que ainda querem entregar ao estrangeiro.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados