Artigo

Bolsonaro e a fortuna

07 de Novembro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: William Waack

Demorou, mas o que importa agora é que o governo Bolsonaro colocou diante do País a mais ambiciosa proposta de reforma do Estado das últimas décadas. A de Fernando Henrique ficou pela metade e Lula foi desistindo à medida em que a bonança do super ciclo das commodities o convenceu de que não precisaria fazer muita coisa. Vai dar certo com Jair Bolsonaro?

As dificuldades políticas são monumentais. Começando pelas mais óbvias e imediatas, a dissolução do PSL é apenas um exemplo das consequências negativas para os planos do governo, quando o Executivo renuncia a construir uma base ampla e bem coordenada no Legislativo. O governo vai sentir falta dessa plataforma e corre perigo de cair na ilusão de que a aprovação da Reforma da Previdência se repita nos mesmos termos, isto é, na base do "deixa que vai".

O adversário escolhido para um ataque frontal é o mais poderoso: o funcionalismo público e suas corporações, extraordinariamente bem sucedidas em se defender. Na verdade, sequestraram para si o Estado. Vai vir chumbo grosso. As dificuldades políticas de articulação, em sentido amplo, também assustam. Basta, como exemplo, o emaranhado que se conhece das discussões sobre a reforma tributária, que ficou para depois, e o problemão que é fazer convergir todos os entes da federação.

Dito isso, grupos organizados da sociedade civil aprenderam com a luta pela aprovação da Previdência e estão avançados na tarefa de ajudar a equipe econômica e conseguir a reforma administrativa, através de corpo a corpo com legisladores e o empenho em "conscientização" da sociedade. Dividem com a equipe de Paulo Guedes o mesmo cálculo político: o de que um "reaquecimento" da economia no começo do ano que vem garanta um clima político favorável à aprovação de pelo menos partes do pacotaço.

Há notável semelhança entre essa aposta política e a que foi feita pela equipe econômica de Temer - torpedeada por uma gravação e a irresponsável conduta de grupos de mídia, causada por sua medíocre visão jornalística, padrão que se repete. Ou seja, mais um exemplo de como a política é o campo do imponderável. O tal cálculo político da atual equipe econômica pressupõe a ajuda de forças organizadas, além da dedicada cooperação dos chefes das casas legislativas, enquanto a marca de Bolsonaro é a preferência por forças políticas simpáticas galvanizadas. Portanto, difusas, e as vezes dirigidas contra quem ele precisa de ajuda.

Paira ainda outro grave risco político "estrutural" (além do nosso sistema de governo), que é o da insegurança jurídica. Recente evento promovido pela Escola Superior do Ministério Público de Goiás, reunindo figuras de proa dos tribunais superiores Eleitoral, Trabalhista e de Justiça, traçou um quadro horroroso: ativismo judicial, politização das decisões do STF, normas jurídicas ultrapassadas ou contraditórias e descaso dos legisladores compõe um sufocante ambiente que desanima, surpreende e golpeia quem toma decisões, pois a imprevisibilidade está aumentando.

Somando-se à nossa esquizofrenia tributária, fica claro que o nó brasileiro não tem uma ponta só a ser desatada. Precisa de várias mãos e de um claro sentido de conduta e direção políticas

A avaliação correta de Guedes e sua equipe é a de que o principal freio ao crescimento sustentável do País é um balofo e perdulário Estado patrimonialista, suportado por elites dirigentes acomodadas e que carecem de qualquer sentido de urgência do que significa uma agenda de produtividade e competitividade, a verdadeira saída para combater os mesmos males de sempre: ignorância, miséria, e desigualdade.

A janela histórica para destravar o País continua aberta. Mas vamos precisar daquilo que Maquiavel chamava de Fortuna.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados