Editorial

A pandemia no setor do transporte

14 de Julho de 2020 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) encerra amanhã a coleta de dados da quarta rodada da Pesquisa de Impacto no Transporte - Covid-19. Um dos setores mais importantes à economia do Brasil, considerado aquele que faz a produção nacional se movimentar, vive seu pior momento das últimas décadas, sob impacto da pandemia do novo coronavírus.

Nessa quarta rodada, o estudo pretende mapear o cenário das empresas transportadoras, quatro meses depois de o confinamento social ter gerado um impacto profundo na sociedade.

Serão avaliados a evolução da demanda pelos serviços de transporte das empresas de todos os modais, de cargas e de passageiros; o acesso ao crédito e a utilização das alternativas previstas na medida provisória 936 _ que permite a redução de salário e de jornada e a suspensão de contratos durante a crise da Covid-19.

A última pesquisa (terceira rodada), realizada com três meses de pandemia, revelou as transportadoras numa situação crítica. Em maio, quinto mês do ano e terceiro da crise, 80,6% das empresas apresentaram queda de demanda e 61,2% indicaram uma retração significativa. Naquele momento foram ouvidas 619 empresas de cargas e de passageiros de todos os modais de transporte, entre 5 e 10 de junho.

A situação complicada revelou ainda projeções negativas: 74,8% dos transportadores estimaram que os impactos negativos nos negócios vão durar, ainda, mais de quatro meses, ou seja, até outubro.

Mais da metade (63,8%), devido à queda abrupta de demanda, estava com a capacidade de pagamento comprometida (financiamentos, folha salarial, tributos e fornecedores). E 27% disseram ter apenas mais um mês de operação caso não recebessem apoio.

A expectativa, agora, é saber o tamanho do prejuízo ao setor, frente aos vários cenários que se formaram no Brasil, entre estados que seguem "fechados", aqueles que afrouxaram o isolamento e os que adotaram medidas mais leves e recuaram novamente, devido ao aumento de casos e mortes.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados