Editorial

A desconfiança aumenta no Brasil

11 de Agosto de 2018 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Os partidos políticos terão um novo desafio nas eleições de outubro: superar a descrença popular. Ela, aliás, nunca foi tão baixa. Logo após a instituição presidente, as siglas ocupam o segundo lugar no ranking Índice de Confiança Social (ICS), medido pelo Ibope Inteligência.

O resultado do levantamento mostra que, em uma década, nunca foi tão ruim a "segurança" dos brasileiros em 20 instituições pesquisadas. Ela é, atualmente, a menor de todas. Entre zero a cem, atinge 13 pontos, algo jamais registrado. O auge foi em 2010, quando alcançou 69 pontos.

No caso dos partidos políticos, informa o Ibope Inteligência, aparecem com 16 pontos, a metade da confiança alcançada em 2010 (33 pontos).

Entre os mais confiáveis, dentro desse cenário bem ruim, o Corpo de Bombeiros segue no topo pelo 10º ano seguido, mas perdeu quatro pontos na confiança da população - passou de 86 em 2017 para 82 pontos neste ano. O mesmo ocorre com as igrejas, na segunda colocação - recuo de 72 para 66 pontos.

A Polícia Federal aparece na terceira colocação, com retração de cinco pontos na confiança em relação ao ano passado (de 70 para 65. Seguem as Forças Armadas (62 pontos), Escolas Públicas (57) e Polícia (53), que assume a quinta colocação dos Meios de Comunicação (51), agora em sexto lugar.

Vale destacar também a confiança da população nas pessoas e na sociedade em geral. Em 2018, a confiança nas pessoas da família oscila negativamente em relação a 2017. Passou de 85 para 82 pontos. Amigos, vizinhos e brasileiros de um modo geral permanecem estáveis na confiança, com 65 pontos (66 no ano passado).

A pesquisa foi realizada entre os dias 19 e 23 de julho, com 2.002 pessoas a partir de 16 anos, em 142 municípios do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados