Editorial

A ameaça é global

21 de Novembro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Na lista dos dez maiores problemas de saúde pública do planeta, a resistência antimicrobiana irá provocar a perda de dez milhões de vidas, todos os anos, a partir de 2050, se nenhuma ação for adotada para atacar o problema. O alerta é feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que estima ainda um prejuízo de cem trilhões de dólares à economia.

Para chamar a atenção das autoridades e também da população, esta semana, de 18 a 24, é dedicada a mobilizações, durante a Semana Mundial de Conscientização sobre Antimicrobianos, ação global que conta com o apoio da Coalizão Internacional de Autoridades Reguladoras de Medicamentos (International Coalition of Medicines Regulatory Authorities - ICMRA), formada por 29 autoridades reguladoras de medicamentos, incluindo a Anvisa, além da própria OMS. A ideia é potencializar as ações individuais dos membros da ICMRA para informar a sociedade e combater a ocorrência da resistência antimicrobiana, evitando complicações de saúde e mortes. No Brasil, segundo a Anvisa, o monitoramento ocorre em 2,2 mil hospitais com leitos de UTI.

A resistência antimicrobiana ocorre principalmente pelo consumo inadequado de determinados produtos farmacêuticos. O fenômeno se caracteriza pelo desenvolvimento de superbactérias, capazes de resistir aos efeitos dos tratamentos das doenças. Assim, com o tempo os agentes que causam as enfermidades deixam de ser impactados e os medicamentos passam a ser limitados no combate à doença, alerta a Anvisa.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados