Editorial

A cor da pele e as distinções culturais

07 de Dezembro de 2019 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Dados divulgados esta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ainda marcam de forma lamentável a realidade de nosso país: a cor da pele está diretamente ligada ao acesso a equipamentos culturais. No Sul e Sudeste, onde a maioria da população é branca, há maior concentração de bens culturais. No Norte e Nordeste do país, onde a maioria da população é preta e parda, o número de equipamentos culturais é reduzido.

Entre os exemplos citados em matéria da Agência Brasil, estão as salas de cinema. Conforme a pesquisa, a população preta ou parda tem menor acesso potencial a esses equipamentos culturais. Enquanto 44% dos pretos ou pardos moravam em municípios sem cinema, esse número em relação aos brancos era de 34,8%.

Leonardo Athias, pesquisador do IBGE, destaca que a desigualdade regional reflete a desigualdade racial. Segundo ele, o cinema é um dos equipamentos culturais mais concentrados. Apenas 10% dos municípios brasileiros têm salas para exibição de filmes. Para o pesquisador, a concentração das salas em determinados municípios, principalmente capitais, acirra o desequilíbrio no acesso à cultura.

A pesquisa também retratou diferenças entre gênero. Em relação ao salário, o estudo apontou que no setor cultural, com concentração de profissionais mais qualificados do que a média do mercado, a diferença de ganhos é maior. De 2014 para 2018, a participação feminina passou de 47,6% para 50,5%, mas o rendimento médio foi de R$ 1.805,00 contra R$ 2.586,00, dos homens.

"Um trabalhador básico vai ganhar um salário mínimo, seja homem ou mulher, já nas ocupações com mais qualificações há mais caminhos para ter desigualdades, que são fenômenos de segregação que é ter mulheres em ocupações, que pagam menos que aos homens, além do próprio fenômeno da discriminação, que é pagar menos para profissionais com a mesma qualificação e na mesma ocupação por diferentes razões ou por que é mulher ou porque é preta ou parda", afirmou Athias.

 


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados