Futuro

Plano Diretor viabiliza nova Boca do Lobo

Câmara dos Vereadores aprova mudança na legislação e Pelotas poderá dar início no projeto que visa modernizar o estádio

10 de Julho de 2018 - 19h45 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Projeto idealizado pela Otimiza visa uma modernização completa da área áureo-cerúlea (Foto: Divulgação - DP)

Projeto idealizado pela Otimiza visa uma modernização completa da área áureo-cerúlea (Foto: Divulgação - DP)

O Pelotas teve outro título conquistado na manhã desta terça-feira (10). A aprovação do Plano Diretor na Câmara de Vereadores, que deverá ser sancionada pela prefeitura nos próximos 15 dias, e possibilita o projeto da nova Boca do Lobo, lançado no dia 27 de fevereiro deste ano, é considerada uma conquista tão grande quanto a Divisão de Acesso.

A vitória pode ser colocada na conta do presidente Gilmar Schneider. Juntamente com os profissionais da Otimiza, responsáveis pela parte arquitetônica, o mandatário conversou com diversos vereadores para convencê-los da importância de aprovar este projeto para o município. O novo Plano Diretor passou a contar com uma emenda feita pelo vereador Luiz Henrique Viana (PSDB) que possibilitará uma alteração na altura dos prédios a serem construídos - limite de 23 metros - na quadra onde está localizada a Boca do Lobo. Isso permitirá que a construtora, ou construtoras, com a qual a direção do áureo-cerúleo trabalha possa erguer as quatro torres (uma em cada esquina), o novo pavilhão social e a estrutura na arquibancada da Gonçalves Chaves.

"Valorização da cidade e do espaço. Não existe projeto aprovado ainda, mas qualquer projeto que seja apresentado terá medida compensatória no parque Dom Antônio Zattera. E esse pode ser um dos maiores benefícios, além da valorização para a própria Avenida que está descaracterizada. Claro, também é importante para o próprio Pelotas", afirmou Viana.

Com a aprovação do Plano, o próximo passo será levar ao Conselho Deliberativo do Clube o projeto para análise e aprovação. "Isso a gente começou a construir em novembro. Na sequência, a prefeita precisa sancionar. A partir disso, o Pelotas vai buscar a proposta dos empreendedores, o que não será nenhum problema, e levar para o Conselho. É um projeto tão bom para a cidade, estava contando com essa aprovação", disse Gilmar Schneider.

O Conselho deverá receber o projeto mais à frente. Segundo o presidente Moacir Elias, a próxima reunião, que será convocada para a semana que vem, irá abordar o primeiro semestre e projetar o segundo. Não há previsão para analisar o empreendimento. "Não conversei com o Gilmar, mas temos alguns ajustes para fazer no projeto antes de levarmos ao Conselho", contou Moacir que completou: "Estou realmente muito feliz. Estou voltando de um compromisso no Paraná, mas estava com o cérebro e o coração nessa aprovação. Sabíamos que ela deveria ocorrer, foi um mérito muito grande de um trabalho bem feito e sem estardalhaço. A sensibilidade dos vereadores foi muito importante ao verem a importância do projeto para a cidade", contou.

O projeto
O projeto consiste em uma reforma completa do entorno do estádio áureo-cerúleo, além da construção de um novo pavilhão. As arquibancadas atuais, da avenida Bento Gonçalves, das ruas Doutor Amarante e Gonçalves Chaves, permaneceriam. A capacidade passaria dos 15.500 lugares para, pelo menos, 16.500. A primeira etapa seria a construção dos prédios, duas torres de 13 andares e mais o novo pavilhão social do clube, que iriam da Amarante até a avenida Bento Gonçalves. Apenas nesta etapa, Gilmar trabalha com uma renda de R$ 10 milhões aos cofres do Lobo.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados