Colonial

Um espaço cada vez mais consolidado na Fenadoce

Espaço apresenta produtos de 37 municípios na sua quarta participação consecutiva na feira

13 de Junho de 2018 - 23h21 Corrigir A + A -
São 62 estandes de 37 municípios do Rio Grande do Sul. (Foto: Paulo Rossi - DP)

São 62 estandes de 37 municípios do Rio Grande do Sul. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Queijos, salames, compotas, vinhos, sucos, frutas cristalizadas, legumes, pães, frutas, artesanato, compotas, roupas, cervejas. A variedade de produtos encontrados na Feira da Agricultura Familiar na 26ª Fenadoce é enorme. São 62 estandes de 37 municípios do Rio Grande do Sul. O espaço está cada vez mais consolidado e este é o quarto ano consecutivo dentro da programação.

Todas as bancas participantes estão cadastradas no programa estadual de agroindústria familiar e seguem normas sanitárias para comercializar os produtos. Ser uma agroindústria reconhecida dá a permissão de participar de diversas feiras pelo Estado. "Hoje eu vendo para todo o Brasil", conta Marijane Detoni, natural de Bento Gonçalves. Através de cursos da Emater, ela aprendeu a reaproveitar todas as partes da fruta, origem da geleia produzida com frutas de sua propriedade. Com a agroindústria em local turístico, as pessoas passam a fazer encomendas de diversos lugares do país.

São justamente estas garantias e fiscalizações sanitárias o motivo da segurança na hora de comprar, lembra Zulmar Lessa, 59. Na feira para consultar preços para uma segunda visita, ela já carregava sacolas com roupas de lã e provava alguns outros produtos. "Não encontro mais este tipo de salame no Mercado Público de Pelotas", sugere. Zulmar citou o apoio da Embrapa e da Emater como fatores preponderantes na garantia de consumir produtos de alta qualidade.

Valorização local
Na quinta-feira, oito agroindústrias de Pelotas receberão alvará sanitário na 26ª Fenadoce. O documento funciona como uma habilitação e legalização para o funcionamento dos empreendimentos. A organização é da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). Receberão o documento a Casa Amarela, de queijos, Entreposto Renascer, de ovos, Abatedouro Cascatense, de bovinos, Minuano, de charque, Produção, de embutidos, D & R, de embutidos, Frutos do Mar, de pescado, e A & Z Alimentos, de embutidos. "Estamos priorizando na agricultura familiar a instação de agroindústrias. Melhora a rentabilidade e torna o meio rural mais atrativo", resume o secretário Jair Seidel.

Alimentos artesanais em debate
A Frente Parlamentar em Defesa dos Alimentos Tradicionais e Artesanais da Assembleia Legislativa realiza sua primeira reunião, na quinta-feira na Fenadoce para debater o significado da alimentação tradicional e artesanal para a região. Durante o evento, será feita homenagem póstuma ao incentivador do assunto, Daniel Aquini. A frente é coordenada pelo deputado estadual Zé Nunes (PT), que identifica dificuldades para registrar produtos e legalizar as atividades. O encontro quer gerar conhecimento sobre as normas sanitárias exigidas e tecnologias disponíveis para os produtores. " Nosso objetivo é desenvolver um processo de discussão envolvendo entidades, gestores, lideranças sobre normas e requisitos que deverão ser observados na elaboração, no beneficiamento, no processamento e na comercialização de produtos artesanais", declarou o deputado.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados