Divisão de Acesso

O cara do acesso

No clube desde 2015, Giovane Gomez superou diversos traumas com o clube até a redenção com o acesso

12 de Junho de 2018 - 11h30 Corrigir A + A -

Por: Henrique Risse
esporte@diariopopular.com.br 

Giovane fez o primeiro gol do Pelotas em Santa Maria (Foto: Tales Leal/ECP)

Giovane fez o primeiro gol do Pelotas em Santa Maria (Foto: Tales Leal/ECP)

Uma história de drama, de persistência e de superação. Assim pode ser definida a trajetória do Esporte Clube Pelotas nos últimos anos. Só que este roteiro, na verdade, conta a passagem de Giovane Gomez pela Boca do Lobo. Depois de quase não jogar em 2016 e da frustração em 2017, o centroavante ressurgiu das cinzas para ser um dos grandes nomes do retorno do áureo-cerúleo à elite do futebol gaúcho.

Natural de Jupassi, no Paraná, o jovem atacante de 23 anos já passou por situações adversas desde sua chegada ao clube, no segundo semestre de 2015. Naquele ano, saiu do banco para marcar o gol do Pelotas na final da Copa Luiz Fernando Costa, no empate por 1 a 1, em Lajeado - o título ficou com o Lajeadense. As boas atuações o levaram para a Seleção Gaúcha Sub-20 e 2016 prometia ser o ano de sua afirmação. Mas aí veio o grande golpe. Uma lesão no joelho o deixou afastado dos gramados por sete meses, o que o fez perder a Divisão de Acesso e quase encerrou sua passagem pelo clube da Avenida.

"Vi o Pelotas não subir em 2016 e me doeu muito não poder ajudar. O clube não disputou o segundo semestre, pediram para eu ir para casa e voltar em 2017 para terminar minha recuperação. Então, pedi pra ficar e, mesmo estando sozinho aqui e com o salário atrasado, fiquei tratando no clube com o fisioterapeuta. Poderia ter saído, mas eu sabia que tinha um propósito aqui no Pelotas, não iria sair de mãos abanando", afirmou Giovane.

Chegou 2017 e uma nova lesão atrapalhou os planos mais uma vez. Mas Giovane Gomez foi persistente. A dedicação nos treinos valeu a pena e ele pôde, enfim, mostrar o seu valor para a torcida do Pelotas. Foi decisivo nos momentos mais importantes e, ao final do jogo do acesso, não segurou a emoção. Me dediquei muito, graças a Deus sem lesão, e estou aí como vice-artilheiro do clube na Divisão de Acesso. Eu não me segurei domingo e me emocionei muito, porque só Deus sabe o que passei aqui. Nunca desisti, sabia que iria chegar essa hora", disse.

Giovane Gomez marcou o primeiro gol do Pelotas na vitória por 2 a 0 sobre o Inter-SM, no primeiro jogo da semifinal. Gol esse que abriu o caminho do acesso. Mas para ele, o mais importante foi o marcado contra o Esportivo. Eram 36 minutos do segundo tempo, o Lobão vencia por 1 a 0 e precisava de mais um para levar a decisão para os pênaltis. Foi aí que ele apareceu e marcou o segundo. Cléverson ainda fez o terceiro e o resto é história. "Aquele gol deu um ânimo na equipe e fez a gente acreditar que era possível."

Final no sábado
O primeiro jogo entre Pelotas e Aimoré já tem data. A partida de ida da grande final da Divisão de Acesso será neste sábado, às 16h, no estádio Cristo Rei, em São Leopoldo. O segundo, a princípio, está marcado para a Boca do Lobo. Mas o clube será julgado nesta terça-feira (12), no TJD-RS, pelas confusões no duelo contra o Esportivo. Ainda pesará contra o Lobão a confusão após a partida de domingo, com o Inter-SM, quando um grupo de torcedores áureo-cerúleos tentou agredir atletas do Interzinho e acabou depredando o vestiário da equipe visitante.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados