Caridade

Oportunidade para ajudar o próximo

Banco Madre Tereza de Calcutá lança carnê para interessados em colaborar na construção da sede

11 de Junho de 2018 - 21h30 Corrigir A + A -
Novo local será mais central, na esquina das ruas Padre Anchieta e Major Cícero. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Novo local será mais central, na esquina das ruas Padre Anchieta e Major Cícero. (Foto: Paulo Rossi - DP)

A cada novo colaborador, mais um passo é dado na construção da nova sede do Banco Madre Tereza de Calcutá. As obras começaram em setembro do ano passado e, para que sejam finalizadas, o apoio dos pelotenses é fundamental. Por isso, carnês de doação com valor livre foram lançados na noite de segunda-feira (11), durante a Fenadoce. O novo local abrigará a sede do banco, responsável por atender em média 13 mil famílias a cada ano, distribuindo alimentos, remédios, roupas e leite e também ofertando cursos profissionalizantes.

Os carnês de colaboração têm 12 parcelas com valor livre, a ser decidido pelo próprio doador. Segundo Maria Eulalie Fernandes, coordenadora do Banco, a intenção é que todos, independentemente da renda, possam ajudar. "É importante não elitizar as doações, cada um dá o que pode. De gota em gota, faremos um mar", diz a coordenadora, retomando a frase de Madre Teresa de Calcutá, religiosa que dá nome ao banco.

A obra está orçada em R$ 350 mil, com finalização prevista para daqui a um ano. Além de pessoas físicas, empresas da cidade já garantiram o apoio na disponibilização de mão de obra e em outras etapas da obra. Até o final da Fenadoce, os carnês estão disponíveis para retirada no estande da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). Após a feira, os interessados em ajudar podem entrar em contato por meio do telefone 3273-2600 ou do e-mail bancomadretereza@hotmail.com.

No mesmo prédio, história e caridade dividem espaço
Atualmente localizado na avenida Fernando Osório, o banco contará com uma sede mais central após o fim das obras. O endereço será a rua Major Cícero, 201, próximo à Catedral Metropolitana de São Francisco de Paula. O novo prédio unirá duas construções, uma delas do começo do século 19 e considerada a mais antiga da cidade, com registro no inventário do Patrimônio Histórico e Artístico de Pelotas. "O novo local dará visibilidade e também facilitará a distribuição das doações", avalia Maria Eulalie. O espaço foi cedido em comodato ao banco pela Associação São Vicente de Paula, a princípio, pelos próximos 20 anos.

Cada sala abrigará um dos eixos do banco. Haverá espaços destinados ao armazenamento de roupas, remédios e leite, além de uma parte destinada aos cursos profissionalizantes oferecidos pelo banco de empregos. Apenas os alimentos ficarão de fora da nova sede, pois não há espaço suficiente. Segundo a coordenadora, ainda não existe um novo local previsto para esse eixo.

Sobre o Banco de Alimentos Maria Tereza de Calcutá
Criado em 2003, o principal trabalho do banco é organizar a coleta e a distribuição de doações em Pelotas. A iniciativa não tem fins lucrativos e é mantida por doadores e voluntários. Todos os anos são atendidas, em média, 13 mil famílias e distribuídas 15 toneladas de alimentos, 7,2 mil remédios, 1,8 mil litros de leite e 30 mil peças de roupas.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados