Ação

GM deve passar por treinamento para atuar em situações que envolvam pacientes em surto

Primeiro encontro deve ocorrer entre os dias 6 e 13 de abril; servidores envolvidos na ação estão afastados das ruas

14 de Março de 2018 - 08h22 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

Com informações da prefeitura de Pelotas.

Agentes da Guarda Municipal (GM) irão passar por um treinamento, junto a Secretaria de Saúde (SMS), para atuar em situações que envolvam pacientes em surto. A medida, de acordo com o comandante da corporação, Sandro Carvalho, se deu após o caso Pierre. "Já vinha sendo avaliado um treinamento nessa área mas, lógico, se apressou por conta do fato com o Pierre Bonow. É fundamental melhorar cada vez mais o serviço prestado à população", disse.

O primeiro encontro com foco na integração entre profissionais da Saúde e da Segurança no atendimento a emergências que envolvam pessoas em surto está previsto para acontecer entre os dias 6 e 13 de abril e será ministrado por uma equipe de psiquiatras da Saúde Mental da SMS.

Na semana passada, a Polícia Civil concluiu como suicídio o inquérito sobre a morte do jovem de 23 anos, no dia 3 de fevereiro, na rua Padre Anchieta. De acordo com a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Pierre Aldavio Bonow estava em surto quando conseguiu sacar a arma de um agente da Guarda Municipal (GM) e atirar contra a própria cabeça. Os servidores não foram indiciados.

O comandante da GM disse que ainda não recebeu o inquérito para enviar à Corregedoria da Guarda Municipal (CGM). Segundo ele, os servidores foram afastados do patrulhamento de rua e devem permanecer assim até a avaliação da CGM. "Estamos no aguardo do inquérito", comentou Sandro.

De acordo com o secretário de Segurança Pública municipal, Aldo Bruno Ferreira, a expectativa da SSP é reunir informações sobre as peculiaridades do apoio a chamadas deste tipo e construir um novo padrão integrado de Saúde e Segurança. "Quanto mais qualificado o profissional estiver, menor será a probabilidade de erro", afirmou. Os servidores devem passar ainda por capacitações que desenvolvam técnicas policiais de defesa pessoal e tecnologias não letais.

Conforme o secretário, pelo menos 50% dos 209 guardas municipais já estão capacitados para o uso de ferramentas como o spark (arma de choque) e espargidor (spray de pimenta). A perspectiva é de que, neste ano, a outra metade também deve ser preparada para operar com este tipo de ferramenta.

Relembre
Em uma primeira versão contada na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), após o fato, o rapaz - armado com uma faca - teria atacado um dos guardas. Na tentativa de imobilizar Pierre, um outro GM teria disparado com a arma de choque o que, segundo a ocorrência, não teria sido suficiente porque o rapaz teria batido com o braço na arma de condução elétrica e a mesma caído no chão. Logo em seguida, Pierre teria ainda tentado agarrar o guarda municipal e tentado sacar a arma dele, foi quando, segundo a versão dos servidores, o outro GM atirou contra cabeça do jovem.

A versão, porém, foi contrariada quando familiares de Pierre e os próprios agentes da GM procuraram a DHPP para contar o que teria acontecido. Conforme a delegada responsável pela conclusão do inquérito, Walquíria Meder, testemunhas e os envolvidos no caso contaram a mesma versão de que Pierre teria conseguido sacar a arma de um dos agentes municipais e atirado contra si. "Muitas pessoas foram ouvidas e a investigação apontou o que eles contaram", comentou. Ainda de acordo com a delegada, os fatos narrados na primeira versão são falsos. "Não ouve legítima defesa, o rapaz também não tentou atacar os guardas. Os servidores estavam muito assustados, isso pode ter feito com que eles contassem o que foi dito inicialmente", explicou.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados