Pressão

Mobilizados pela duplicação da 116

Líderes e entidades lotaram auditório da Assembléia em busca de mais recursos para a conclusão das obras na rodovia

20 de Março de 2017 - 15h19 0 comentário(s) Corrigir A + A -
Bancada gaúcha na Câmara dos Deputados e do Senado participam da audiência.  (Foto: Leandro Lopes - DP)

Bancada gaúcha na Câmara dos Deputados e do Senado participam da audiência. (Foto: Leandro Lopes - DP)

Saguão da Assembleia Legislativa ficou pequeno para receber representantes (Foto: Leandro Lopes - DP)

Saguão da Assembleia Legislativa ficou pequeno para receber representantes (Foto: Leandro Lopes - DP)

Atualizada às 19h24min

Mobilizados. Assim se caracterizaram os mais de 300 presentes que lotaram o Vestíbulo Nobre Érico Veríssimo, na tarde desta segunda-feira (20), na Assembleia Legislativa, em Porto Alegre, para a audiência sobre a continuidade das obras de duplicação na BR-116.

Estiveram presentes parlamentares federais e estaduais, representantes dos governos federal e estadual, além entidades empresariais e de trabalhadores da Zona Sul do Estado. Entre as principais soluções apresentadas estão o remanejo de recursos de outras obras federais, a definição de ter, como prioridade entre os deputados, a obra para emendas impositivas para 2018 ou ainda o suplemento no orçamento pelo governo federal. Com cerca de R$ 60 milhões garantidos, o movimento organizado na região quer mais R$ 140 milhões para a colusão e liberação de aproximadamente 100 quilômetros da via.

Nas falas, a unidade pela conclusão da obra que, além de desenvolvimento, atualmente é sinônimo de risco para os usuários da rodovia. O primeiro a se manifestar foi o deputado estadual e ex-prefeito de São Lourenço do Sul, Zé Nunes (PT), que saudou a mobilização de todos os perfeitos, vereadores e instituições pela mesma causa. "A BR-116 é a rodovia que mais mata no Rio Grande do Sul", disse o parlamentar. O deputado é o articulador da frente parlamentar estadual pela conclusão da duplicação. O movimento conta com o apoio de 28 deputados estaduais.

O secretário de Planejamento do Ministério dos Transportes, Luciano de Castro, disse que faltam 12 lotes para a conclusão. A orientação do ministro Maurício Quintella é que aqueles que já dispõem de recursos garantidos tenham preferência de execução. Castro também lembrou que o momento é de contenção orçamentária e prometeu que nos próximos 30 dias representantes do Ministério farão uma visita às obras acompanhados dos engenheiros responsáveis para definir os lotes prioritários.

"Não vejo melhor alternativa do que ir diretamente ao presidente da república", defendeu o senador e ex-âncora do Jornal do Almoço, do grupo RBS, Lasier Martins (PSD). Ele reforçou que não há verbas sem ordem de cima, apelando para a necessidade de uma audiência com Michel Temer (PMDB).

Com cinco ônibus com prefeitos, vereadores e entidades, a Zona Sul deu o recado aos deputados que está mobilizada pelo tema. "O mais importante foi transformar a pauta como prioridade estadual e não mais regional", destacou a prefeita Paula Mascarenhas (PSDB).

Enquanto principal acesso ao terceiro maior porto do pais, a BR-116 tem grande significado no desenvolvimento da economia do Estado e do país. "É essencial pra retomada de investimentos no Polo Naval", comentou o prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer (PT).

Representando o governador José Ivo Sartori (PMDB), o secretário dos Transportes Pedro Westphalen manifestou que o governo do Estado está "totalmente engajado" nesta discussão. O atual presidente da AL-RS, Edgar Pretto (PT), elogiou a unanimidade em torno do tema entre os diferentes partidos da bancada gaúcha no Congresso Nacional. "É urgente para poupar vidas e transportar a riqueza do estado e do país", enfatizou Pretto.

Entre os deputados federais, Henrique Fontana (PT) propôs que se tirasse de imediato como prioridade a obra para emendas impositivas, o que garantiria cerca de R$ 200 milhões em 2018. O pedetista Pompeo de Mattos (PDT) abordou o quanto de dinheiro público já não foi desperdiçado com a paralisação das obras. Já Afonso Hamm (PP) disse que a mobilização é o início de um engajamento cada vez maior pela Região Sul do Estado, desestabilizada pelas perdas de emprego no Polo Naval e nas usinas de Candiota. O deputado propõe a formação de uma frente parlamentar de âmbito nacional pela causa.

O presidente da Azonasul, Flávio Telis, prefeito de Jaguarão, também destacou a grande mobilização formada pelos municípios da região. Telis ainda tratou da importância da exportação de grãos para a economia do RS e a segurança dos usuários da rodovia. "Como médico, não posso esquecer das vidas que foram perdidas", disse o prefeito. 


Comentários


  • Não há comentários, seja o primeiro a comentar!


Diário Popular - Todos os direitos reservados