Sucesso

Uma maratona inédita

Pelotense conquista 3° lugar geral em maratona mundial virtual

24 de Outubro de 2020 - 09h23 Corrigir A + A -
Evento mundial reuniu pessoas de três diferentes continentes (Foto: Divulgação - DP)

Evento mundial reuniu pessoas de três diferentes continentes (Foto: Divulgação - DP)

Entre a quantidade de eventos remotos que ocorreram devido à pandemia da Covid-19, talvez o mais inesperado deles seja correr uma maratona. E foi justamente esse que a educadora física Juliana Krüger, 45, resolveu participar. O evento mundial, chamado de Virtual Runners World, reuniu três mil pessoas de diferentes continentes, todas com apenas um objetivo: correr. Cada uma da sua cidade, no seu fuso horário. A Juliana iniciou às 7h e antes das 11h já tinha cruzado a própria linha de chegada, conquistando o terceiro lugar geral feminino e o primeiro da categoria 40 - 45 anos.

O trajeto foi todo pensado por ela. Pelotense de carteirinha, a Ju, como é carinhosamente chamada por amigos e alunos, fez questão de passar por lugares que, de uma forma ou outra, foram especiais na construção profissional e pessoal dela. "Passei pelo Porto, pois foi o lugar que comecei correndo há 20 anos, pelo Laranjal, para lembrar da sensação de quando consegui correr até lá". recordou. Além deles, a praça Coronel Pedro Osório, a Catedral, e a avenida Dom Joaquim entraram no roteiro. O ponto de partida foi às 7h, no Barro Duro, e a linha de chegada foi ultrapassada às 10h40min, no Parque Una, local onde está indo treinar em tempos de distanciamento social.

A corredora explica que há seis grandes maratonas mundiais, a de Tóquio, de Boston, de Londres, de Berlim, de Chicago e de Nova York. Essas são chamadas de "major" e apenas pessoas com qualificação da IAAF - sigla em inglês da Associação Internacional das Federações de Atletismo - podem participar. Ano passado, na maratona de Buenos Aires, Juliana conseguiu qualificar-se e os planos eram para que no dia 11 de outubro ela estivesse em Chicago correndo sua primeira major. "Quando soube do cancelamento resolvi que não iria diminuir o ritmo dos meu treinos, pois pensei que precisava seguir motivando meus alunos", conta. Depois disso, ela conheceu a Virtual Runners World e acabou se inscrevendo para não deixar de participar de uma maratona em 2020.

Detalhes da corrida

A corrida on-line aconteceu no último domingo e foi a primeira maratona registrada em Pelotas, já que o município nunca recebeu eventos desse porte. Ele foi dividido em quatro modalidades, com 5 km, 10 km, 21 km e 42 km. Na maratona, uma corrida formada por um percurso de 42 km, 84 homens e 59 mulheres participaram. Por lá, tinham outras brasileiras, dinamarquesas, italianas, francesas e mexicanas. Entre todas, Ju conquistou o 3° lugar geral e no pódio da categoria por idade ela subiu no degrau mais alto - mesmo que virtualmente. Segundo ela, a ansiedade pré prova foi como qualquer outra. "Parecia que eu ia encontrar as pessoas", brinca.

Já que não contaria com a presença dos outros competidores nem de uma grande torcida, os alunos resolveram improvisar para não deixar a treinadora sozinha. Luísa Miller, 27, corre no grupo da Juliana há sete anos, apesar de se conhecerem desde que ela nasceu. "A Ju não mede esforços pelos alunos, sempre foi inspiração pra mim", diz a jovem. Inicialmente, a cirurgiã dentista iria correr 3 km ao lado da treinadora, mas a empolgação não deixou e o que era pra ser um curto encontro virou 8 km. "Saímos da praia, fizemos todo calçadão e só parei no Caça e Pesca", relembra.

Torcida

E essa motivação e apoio é o que faz toda diferença na vida da educadora física. Durante todo o trajeto ela foi acompanhada por uma amiga, que dentro do carro carregava água, alimentos e primeiros socorros. Na chegada, com direito à faixa e tudo, a mãe Lila Krüger, 71, estava lá, pronta para dar um abraço e prestigiar, pela primeira vez, a filha cruzando a linha de chegada de uma maratona. Para Juliana, o sentimento que fica é o de superação. Mesmo não tendo batido o próprio recorde, pois acabou fazendo no mesmo tempo das outras competições, ela garante que o objetivo foi cumprido, já que o importa é a gratidão de percorrer pelas ruas da Cidade do Doce, motivar os alunos e escrever seu nome num pedacinho da história pelotense.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados