Laranjal

Um Laranjal ainda maior

Com o início da temporada de verão, serviços públicos são intensificados para receber os veranistas; estimativa é que população passe a ser de cem mil pessoas

07 de Dezembro de 2019 - 09h03 Corrigir A + A -
Para a aposentada Cléia Lottnin, os serviços atendem as demandas do bairro. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Para a aposentada Cléia Lottnin, os serviços atendem as demandas do bairro. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Equipes da Secretaria de Serviços Urbanos e Infraestrutura atuam no bairro. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Equipes da Secretaria de Serviços Urbanos e Infraestrutura atuam no bairro. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Com a aproximação do início do verão e das festas de final de ano, o movimento na região da Praia do Laranjal deve aumentar, devido à chegada de veranistas ao local. A estimativa da Associação Comunitária do Laranjal (Asclar) é que o número de moradores chegue a cem mil no verão, em relação aos 30 mil habituais. Com isso, ações como a coleta de resíduos sólidos na região, por exemplo, passam a ser intensificadas. A partir deste final de semana até 28 de março de 2020, o trabalho será realizado também aos sábados. Para residentes no bairro, no entanto, a atenção do poder público em relação ao local é insuficiente em outras épocas do ano.

Durante a passagem da reportagem pelas ruas do bairro na tarde da última quinta-feira, equipes trabalhavam no recolhimento de entulho e na limpeza das vias e no corte de vegetação. Entre os moradores, no entanto, a impressão é que os serviços não são realizados com frequência. "Não é comum", revela o aposentado Lauderites Martins, morador da rua Gramado. Para ele o bairro não recebe a mesma atenção em outros períodos do ano, fora da temporada de veraneio. Ele lembra, também, que em períodos chuvosos as ruas ficam intransitáveis. A opinião também é seguida por Hélio Ávila, que reside no Laranjal há 43 anos, e relata ter que andar com água no joelho para embarcar em um ônibus, rumo ao centro do município. "Tenho que levar até uma toalha para secar o pé", conta. Ele afirma, também, que devido às constantes faltas d'água nas torneiras, acentuadas no verão, decidiu investir na construção de duas caixas d'agua, que amenizam o problema. "Quem não tem, sofre", resume, contando já ter ficado três dias sem abastecimento.

Caixas d'agua como solução

Além de ser comum entre os moradores do bairro, a atitude também é seguida por estabelecimentos comerciais, que dependem de clientes. "Os hóspedes reclamam e nós temos que ouvir, não é culpa nossa", relata Gian Nunes, que trabalha em uma pousada próxima à avenida Antônio Augusto de Assunção. Para evitar o problema, o local conta com 11 caixas d'agua que contribuem para evitar o desabastecimento nos nove quartos do local, e também para a manutenção de serviços de lavanderia. "Até dois dias conseguimos manter, mas já ficamos uma semana sem água", lamenta. O jovem destaca que houve melhora no abastecimento neste ano e espera que não haja imprevistos em relação à água no local, que já está com a vagas esgotadas para o pacote de Ano Novo. "Mesmo com o valor mais caro notamos uma melhora", afirma Nunes.

Aumento da população fixa

A professora aposentada Cléia Lottnin, de 71 anos, destaca o crescimento de moradores fixos no bairro ao longo dos anos. "Entre os meus vizinhos só dois ou três são veranistas", conta. Para ela, que mora há 15 anos em uma casa na rua São Leopoldo, serviços como patrolamento e roçado das vias suprem a demanda. Além disso, a implantação de um dia extra de coleta de lixo pelo Sanep, consegue evitar o acúmulo. "Funciona, mas o pessoal tem que colaborar", afirma, relatando casos em que as pessoas jogam em frente às residências. A moradora, no entanto, conta que realiza o corte da grama em frente à residência.

Além dos problemas já relatados, moradores afirmam conviver, também, com a falta de iluminação pública. É o caso de Suzana Neto, de 49 anos, que reside da rua Caçapava. Segundo ela, dez postes de iluminação estão com as luzes apagadas há cerca de dois meses. "Uma escuridão total", afirma. Apesar das constantes ligações para que o problema seja solucionado, ainda não houve retorno. "Eu quero que eles arrumem os problemas, porque eu gosto de morar aqui", lamenta

Período requer maior atenção

O secretário de Serviços Urbanos e Infraestrutura, Antônio Ozório, afirma que os trabalhos como cortes de grama e limpeza de valetas são feitos durante o ano por uma equipe formada por 17 pessoas. No entanto, conta, nesta época do ano, o bairro conta com uma equipe extra para realizar os trabalhos, que são intensificados. A medida, conforme Ozório, justifica-se pela importância da temporada de verão para a cidade e para os moradores, por se tratar de um bairro turístico. "Damos um up antes do veraneio", destaca. O chefe da pasta também lembra que o município conta com um déficit de mais de três mil lâmpadas, por isso, podem haver atrasos no conserto das luminárias. Ele lembra que, em casos extremos, como o de Suzana Neto, pode haver prioridade no atendimento.

"Acreditamos que o abastecimento será melhor do que nos últimos anos", afirma Alexandre Garcia, diretor-presidente do Sanep. Segundo ele, houve melhor planejamento para que houvesse uma melhor condição no sistema de abastecimento das praias, com manutenções em equipamentos como bombas, que puxam água diretamente do Arroio Pelotas para a rede de distribuição, promovendo um aumento de 20% no fluxo de água na região. Com isso, conforme Garcia, a tendência é que situações de falta d'agua, vistas em anos anteriores, só aconteçam em casos de problema de energia elétrica ou em situações extraordinárias, como rompimentos de adutoras. "Isso não conseguimos prever", pontua.

Doce Natal no Laranjal

Neste domingo, os moradores e veranistas do bairro também terão uma programação natalina especial. O evento, promovido pela ASCLAR, iniciará às 14h, com a distribuição de presentes para crianças em vulnerabilidade social da comunidade da Nesga. Em seguida, percorrerá as ruas do bairro, passando pela Avenida da Praia, até chegar às 17h no Shopping da Mar de Dentro. Na ocasião, também haverá apresentações musicais. Outra ação será a iluminação de 40 árvores presentes na beira da praia, com previsão de término na próxima semana. "O intuito é iniciar junto com o Pelotas Doce Natal, no dia 13", explica Paulo Souza, vice-presidente da Asclar.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados