Incremento

UFPel poderá ter três novos cursos de graduação

Gestão da universidade apresentará a proposta ao Consun na próxima terça-feira

02 de Julho de 2022 - 08h30 Corrigir A + A -
Design de Jogos, Letras - Libras e Literatura Surda e Tecnologia em Comércio Exterior são as novas propostas (Foto: Jô Folha - DP)

Design de Jogos, Letras - Libras e Literatura Surda e Tecnologia em Comércio Exterior são as novas propostas (Foto: Jô Folha - DP)

A gestão da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) apresentará ao Conselho Universitário, em reunião na próxima terça-feira, proposta para criação de três novos cursos de graduação. Design de Jogos, Letras - Libras e Literatura Surda e Tecnologia em Comércio Exterior poderão se juntar, caso aprovados, aos outros cem cursos já ofertados pela UFPel para a formação de cidadãos à sociedade brasileira.

As novas propostas de cursos trazem consigo, de acordo com a vice-reitora Ursula Silva, a tônica da responsabilidade social da universidade pública, por meio da acessibilidade, da inclusão e da democratização do acesso e permanência dos estudantes. Todos eles foram pensados para terem sua oferta noturna, de forma a atenderem uma parcela da população que muitas vezes se vê distanciada das atividades da universidade: os trabalhadores.

O movimento para a criação dos novos cursos vem sendo realizado desde o ano de 2021, quando a Administração Central da UFPel passou a realizar um profundo diagnóstico, junto às unidades acadêmicas, da oferta de graduação proporcionada pela instituição, com especial atenção a dados como a ocupação de vagas ofertadas e evasão, retenção e diplomação.

O cenário encontrado, segundo a pró-reitora de Ensino, Fátima Cóssio, é o de grande dificuldade na permanência dos estudantes no decorrer do curso, especialmente agravada pela crise social e econômica trazida pela pandemia. Fator importante nesse processo, que já era conhecido e discutido, é o fato de que a UFPel tem uma maciça oferta de cursos diurnos e integrais: apenas 20% das vagas se encontram em atividades noturnas. "Somos a universidade federal brasileira com maior número de cursos integrais e o menor número de cursos noturnos", pontua a pró-reitora.

Tal concentração de atividades no período diurno tornou-se um empecilho para estudantes que precisaram voltar-se ao trabalho para complementar ou até mesmo manter a renda da família, um fenômeno bastante acentuado pela crise atual. "É impressionante a quantidade de estudantes que pedem para trocar para o noturno atualmente", contextualiza a diretora do Centro de Ciências Sócio-Organizacionais, Isabel Rasia, unidade proponente do curso de Tecnologia em Comércio Exterior.

Além disso, outro dado vislumbrado na análise promovida é o de redução de pessoas interessadas nos cursos da UFPel. Fátima lembra que o número de candidatos concorrendo às vagas oferecidas está diminuindo, especialmente em cursos cuja inserção no mundo do trabalho é mais difícil. "Claro que devemos pensar uma formação ampla e integral, mas também temos que levar em consideração a ocupação pós-curso", afirma.

Compartilhar novas possibilidades
Não foi apenas a oferta noturna o critério colocado para as propostas. Outro ponto importante levantado pelo chamado às unidades foi o de aproveitamento de infraestrutura existente, especialmente pelo não uso durante o período da noite, e o de readequação da força de trabalho entre os servidores já lotados na unidade: os novos cursos poderiam solicitar apenas dois novos docentes cada. Também foi pedido um estudo de campo, analisando o contexto profissional que o egresso virá a encontrar. "São cursos que não envolvem muitos custos", explica a reitora Isabela Andrade.

Os méritos acadêmicos dos projetos pedagógicos foram aprovados pelo Conselho Coordenador do Ensino, da Pesquisa e da Extensão (Cocepe) na última quinta-feira. O passo faltante, agora, para a criação dos cursos é sua aprovação no Conselho Universitário da UFPel, grande instância de decisão da instituição. A pauta será submetida ao grupo na próxima reunião, que ocorrerá na terça, às 9h, no Salão Nobre da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (Faem).

Design de Jogos
Unir arte e tecnologia: com essa premissa, a proposta de novo curso trazida pelo Centro de Artes mira nos jogos a partir de um projeto instigante e inovador. O bacharelado em Design de Jogos optará não apenas pela programação dos jogos, mas sim em todo o desenvolvimento e processo de criação, unindo áreas como roteiro, narrativa, regras, estética, animação e trilha sonora.

Com uma duração mínima de oito semestres, terá oferta de 25 vagas. Os estudantes serão selecionados por meio do Programa de Avaliação da Vida Escolar (Pave) e do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Letras - Libras e Literatura Surda
Se o grande conceito nos novos cursos é acessibilidade e inclusão, um dos que mais o traduzem é a nova licenciatura em Letras com habilitação em Libras e Literatura Surda. De relevância social evidente e proposto a partir de um projeto altamente inclusivo, caso aprovado, será a primeira licenciatura em Libras do Rio Grande do Sul e o primeiro curso que inclui a formação em Literatura Surda no Brasil.

O curso terá a duração mínima de nove semestres. Serão ofertadas 30 vagas anuais. Além do ingresso pelo Pave, com nove vagas, e do Sisu, com cinco, o projeto pedagógico prevê que 16 estudantes sejam selecionados por meio de processo seletivo específico.

Tecnologia em Comércio Exterior
A localização da UFPel a poucos quilômetros da fronteira com o Uruguai e nas adjacências de portos, aeroportos e rodovias foi o motivador para a proposta do Centro de Ciências Sócio-Organizacionais, o curso de Tecnologia em Comércio Exterior. É uma região que pode, segundo a diretora do CCSO, se aproveitar muito de mão-de-obra qualificada para as transações comerciais internacionais. Caso aprovado, será o primeiro tecnólogo na área em universidades federais brasileiras.

O curso terá a duração mínima de quatro semestres. Serão oferecidas 40 vagas, que terão como métodos de seleção o Pave e o Sisu.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados