Retomada

UFPel aprova calendário alternativo

Modalidade a distância se inicia dia 22 de junho, com duração de 12 semanas, e possibilidade de disciplinas obrigatórias a todos os alunos

22 de Maio de 2020 - 21h10 Corrigir A + A -
Expectativa. A previsão é de que as atividades presenciais possam retornar em setembro (Foto: Paulo Rossi - Infocenter - DP)

Expectativa. A previsão é de que as atividades presenciais possam retornar em setembro (Foto: Paulo Rossi - Infocenter - DP)

Após quatro horas de reunião e transmissão ao vivo, o Conselho Coordenador do Ensino, da Pesquisa e da Extensão (Cocepe) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) aprovou o calendário alternativo, discutido desde abril. A modalidade de Ensino a Distância (EaD) começa no dia 22 de junho, antes prevista para o próximo dia 8; a decisão ampliou em duas semanas o prazo de planejamento de início das atividades, responsabilidade dos colegiados dos cursos e corpo docente.

As aulas remotas terão duração de 12 semanas, com possibilidade de oferta de disciplinas obrigatórias a todos alunos - a proposta anterior fechava o leque de opções apenas aos estudantes em fase de conclusão dos cursos de graduação. As atividades serão realizadas por meio do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Quem decidir por não realizar a matrícula opcional, não sai perdendo: é o que o vice-reitor, Luís Centeno do Amaral, ressaltou durante a transmissão. Conforme a reitoria, o calendário não é uma substituição às aulas presenciais, e sim atua como uma suplementação das atividades, para manter ativo o vínculo da comunidade acadêmica. Ou seja, a matrícula não é obrigatória.

Durante a reunião, também foi aprovada a possibilidade de realização de estágios obrigatórios por parte dos estudantes. A atividade refere-se à prática de levar o que é aprendido em sala de aula à comunidade. Somente os acadêmicos matriculados em cursos de licenciatura ficam vetados da decisão, em vista da suspensão das aulas presenciais das escolas públicas e privadas, tanto na rede municipal como estadual. As aulas com carga horária prática poderão ser ofertadas, desde que obedeçam o critério de possibilidade totalmente remota.

Além disso, a possibilidade de colações de grau, via videoconferência, e continuidade dos Trabalhos de Conclusão de Curso também foram aprovadas. Todas as formaturas vão ocorrer por meio online, aos que desejarem. Já os estudos de conclusão de curso devem ser feitos somente de maneira remota - quem planeja realizar trabalhos com entrevistas presenciais e contato com a comunidade em geral, deve aguardar as medidas de flexibilização e término do período de calamidade.

Como alcançar os alunos sem acesso a internet?

Apesar de posicionamentos e demandas diferentes por conta das particularidades dos cursos, durante a reunião do Cocepe, a preocupação de representantes de unidades acadêmicas e alunos era uma só: garantir que o maior número de alunos tenha acesso às atividades remotas. Nas últimas semanas, a Universalidade encaminhou à comunidade acadêmica um formulário de pesquisa em relação ao número de alunos, professores e técnicos administrativos que possuem pleno acesso a internet. Dos mais de 20 mil alunos, desde graduação até pós-graduação, 6,5 mil enviaram respostas. O maior percentual de resposta são dos estudantes da graduação: ao todo, 32,59% responderam. A pesquisa mostra que 97% das pessoas que responderam possuem acesso à rede, seja por banda larga (3,9 mil), internet móvel 3G ou 4G (1,1 mil) ou outras formas. 

A reitoria trabalha com a possibilidade de compra de pacotes de dados de internet para garantir o acesso àqueles que desejarem realizar a matrícula no calendário alternativo. “Ninguém vai ser prejudicado se não quiser participar. Quem quiser, nós vamos trabalhar para garantir que consiga”, diz o vice-reitor. De acordo com o documento apreciado pela reunião do Cocepe, “já foram realizadas reuniões técnicas junto as empresas de telefonia móvel, sendo Oi, TIM, Claro e Vivo, verificando as opções oferecidas por cada empresa. Atualmente, a UFPel está recebendo as propostas comerciais das empresas para posterior análise”. Pontos de Conexão à rede também serão instalados nos diversos prédios da Universidade.

Setembro ganha força nas previsões

Com a aprovação do Calendário Alternativo, a expectativa é que as aulas presenciais sejam retomadas em setembro. O término das atividades remotas está previsto para o dia 12 do mesmo mês; o período de 12 semanas com aulas a distância é visto como um momento de adaptação antes do retorno. A pró-reitora de Ensino da UFPel, Maria de Fátima Cóssio, lembrou durante a reunião, da importância de construir uma alternativa ainda mais eficaz para incluir todos os estudantes. As aulas presenciais da Universidade foram suspensas no dia 13 de março.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados