Aumento

Transporte coletivo será reajustado em novembro

Negociação, que também envolve o reajuste salarial dos rodoviários, tem a primeira reunião marcada para a próxima segunda-feira

11 de Outubro de 2018 - 08h20 Corrigir A + A -
A conta leva em consideração, dentro da equação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o preço do litro do óleo diesel na primeira semana de novembro e a convenção coletiva dos rodoviários. (Foto: Jô Folha - DP)

A conta leva em consideração, dentro da equação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o preço do litro do óleo diesel na primeira semana de novembro e a convenção coletiva dos rodoviários. (Foto: Jô Folha - DP)

O reajuste anual do transporte coletivo de Pelotas é um assunto que, oficialmente, ainda não é tratado pelo Executivo. Conforme o contrato firmado entre o município e o Consórcio do Transporte Coletivo de Pelotas (CTCP), o aumento na tarifa acontece anualmente em novembro. A conta leva em consideração, dentro da equação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o preço do litro do óleo diesel na primeira semana de novembro e a convenção coletiva dos rodoviários. A primeira reunião entre sindicato e consórcio está marcada para a próxima segunda-feira, dia 15, e dará o tom da negociação. A previsão é que, na segunda semana de novembro, a Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) e o Consórcio já tenham números concretos. No ano passado, preço foi ajustado no dia 10 de novembro.

O principal ponto que deve alavancar o aumento neste ano é o preço do óleo diesel. Motivo que levou milhares de caminhoneiros a protestarem em todo o Brasil no final de maio. Mesmo com o subsídio anunciado pelo governo federal, os preços continuaram aumentando, relata o diretor-executivo do CTCP, Enoc Guimarães. No último levantamento de preços realizado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) em Pelotas, o preço do litro do Diesel S10 varia entre R$ 3,62 e R$ 3,97.

Se na última correção de preços o diesel representava 22,5% do preço total, hoje passa de 25%, informa Guimarães. Outro componente do cálculo, o INPC, está acumulado em 3,97% nos últimos 12 meses. A previsão é que a inflação feche entre 4% e 5%. "Preocupa o aumento do diesel nos últimos meses e a alta do desemprego, diretamente relacionada à baixa de usuários no transporte coletivo de Pelotas", avalia Enoc.

Com a retirada da gratuidade entre 60 e 64 anos, que representavam 240 mil passagens por mês, tanto o CTCP quanto a secretaria de trânsito estimavam que, pelo menos, 30% do público continuasse utilizando o transporte, o que não aconteceu. O movimento, como um todo, foi menos nos últimos 12 meses, comparado ao mesmo período no ano passado. Segundo Enoc, o problema está sendo enfrentado em praticamente todo o Brasil. O principal fator é o desemprego.

O caso é também relatado pelo secretário Flávio Al Alam. "O trabalhador que recebe suas passagens no vale-transporte fica praticamente obrigado a utilizar o coletivo. A partir do momento que ele está desempregado ou fazendo um bico, ele prefere economizar, utilizar a bicicleta, uma carona", exemplifica. Flávio prefere não adiantar muitas informações, mas garante que as planilhas serão revisadas em novembro a partir dos números que compõem a cesta de índices inflacionários e de custos operacionais. "Temos a menor tarifa do Estado", defende o secretário.

Negociação dos rodoviários
Na pauta de reivindicações dos rodoviários, há 82 cláusulas. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Pelotas (STTR), José Inácio Lopes de Jesus, destaca a atualização do salário. Além da inflação, a categoria reivindica 5% de ganho real. "Outra reivindicação antiga é um plano de saúde para a categoria", lembra de Jesus. Também outra pauta importante para os trabalhadores, ele realça, é o seguro de vida e a liberação do trabalhador em caso de assalto. Neste ano, motoristas e cobradores chegaram a protestar por questões de segurança nos coletivos. Alguns não eram registrados na polícia pela falta de liberação para os procedimentos burocráticos na delegacia. O encontro com o presidente das empresas do transporte rodoviário de Pelotas está marcado para a manhã da próxima segunda-feira.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados