Alternativas

Solidariedade em tempos de pandemia

Inúmeros jovens se oferecem para ajudar pessoas no grupo de risco

25 de Março de 2020 - 22h35 Corrigir A + A -
Jovens entram em cena no combate ao coronavírus (Foto: Jô Folha - DP)

Jovens entram em cena no combate ao coronavírus (Foto: Jô Folha - DP)

Se tem algo de bom acontecendo em meio à pandemia global do coronavírus são as atitudes solidárias que milhares de brasileiros estão sendo protagonistas. Em Pelotas não é diferente, aqueles que são jovens e estão com a saúde em dia estão dando aula de como ajudar o próximo, seja através de um simples bilhete colado no elevador do condomínio ou da criação de uma plataforma capaz de ligar o país inteiro.

O analista de sistemas Pedro Viana, 26, é pelotense, mas atualmente mora em Porto Alegre. Por lá, há uma semana, uma ideia surgiu: conectar pessoas que queiram ajudar as que necessitam de ajuda, como idosos e grupo de risco. Assim, surgiu o Ajuda Coronavírus. Através do site, voluntários e necessitados podem realizar um cadastro, informando dados básicos e o CEP. Desse modo, o banco de dados da plataforma encontra o voluntário mais próximo daquele que precisa e disponibiliza o contato - assim começa o diálogo entre a dupla. "Às vezes tem alguém na rua do lado querendo ajudar", frisou Viana. Esses voluntários estarão disponíveis para auxiliar nas compras básicas do mercado e da farmácia.

Até o momento, mais de 1,7 mil voluntários já estão cadastrados e disponíveis a auxiliar o próximo. Porém, apenas 300 solicitações foram registradas. O criador da plataforma acredita que esse número crescerá ao decorrer das próximas semanas, já que cada vez mais as medidas de restrição ao trânsito pelas ruas e de conscientização para os idosos ficarem em casa aumentam. "Mas a gente está muito feliz de conseguir um grande time de voluntários", completou. O interessante do site é que o Brasil todo pode utilizá-lo. Por enquanto, as cidades que mais aderiram ao Ajuda Coronavírus foram Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Pelotas e Brasília. De acordo com o analista de sistemas, Pelotas já soma cerca de 200 voluntários e ainda pode aproveitar muito bem a plataforma, pois os cadastrados estão espalhados em diferentes bairros. "Aí as pessoas estão bem servidas de voluntários", brincou. Os interessados podem acessar a plataforma através do www.ajudacoronavirus.com.br e no instagram @ajudacoronavirus.

Quem resolveu aderir ao Ajuda Coronavírus foi a nutricionista Rebeca Belmonte, 24. Ela conta que soube da ação a partir das redes sociais, então resolveu realizar o cadastro. O que a impulsionou a fazer parte desta corrente foi pensar que muitas pessoas podem não ter o suporte de amigos e famílias, e, com isso, a situação poderia ser ainda pior. "Vi na plataforma uma maneira incrível de ajudar quem eu nem conheço e para mim isso é engrandecedor", contou. De acordo com ela, o novo site é a oportunidade perfeita para todos reavaliarem as ações e passarem a se colocar mais no lugar do outro. A jovem ainda não foi chamada, mas diz que não fica um dia sem atualizar o site, para ver se chega alguma solicitação.

De um jeito mais modesto, mas também eficiente, Paula Brandão, 23, estudante de Fisioterapia, também resolveu ajudar o grupo de risco. A medida adotada por ela é simples, mas cheia de solidariedade: um bilhete colocado no elevador do condomínio, disponibilizando nome e contato - e convidando outros moradores a participar da iniciativa. A ideia surgiu ao ver algumas fotos do mesmo estilo nas redes sociais; então, ela conta que se questionou: "Por que não fazer, já que meu prédio tem muitos idosos?" Até o momento, mais um morador já disponibilizou seu contato no bilhete. A estudante ainda não foi solicitada por ninguém, mas garante que continua à disposição. Ela acredita que se cada um fizer a sua parte, este momento difícil irá passar com mais leveza. "Não se trata apenas de não proliferar o vírus, mas sim de respeitar e acolher os mais vulneráveis", disse.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados