Decisão

Simp aprova por maioria paralisação por três dias

Servidores reivindicam reajuste salarial e vale alimentação, com ato marcado para a próxima quarta

24 de Maio de 2022 - 16h57 Corrigir A + A -
Os servidores reivindicam por 20,09% de reajuste salarial e a mesma porcentagem no vale alimentação (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Os servidores reivindicam por 20,09% de reajuste salarial e a mesma porcentagem no vale alimentação (Foto: Carlos Queiroz - DP)

*Matéria atualizada às 20h21min para acréscimo de informações

Com o auditório externo do Colégio Municipal Pelotense lotado, os municipários de Pelotas aprovaram, na tarde desta terça-feira (24), por ampla maioria, a paralisação total dos serviços até sexta-feira - ou até que a prefeitura encaminhe uma proposta com os índices de reajuste. Se o contato ocorrer durante este período, o Sindicato dos Municipários de Pelotas (Simp) compromete-se em marcar nova assembleia o mais rápido possível.

A aprovação da categoria também conta com uma série de reivindicações. Um ato ocorre nesta quarta, às 10h30min, em frente à prefeitura. Caso a prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) não encaminhe a proposta aos trabalhadores, as manifestações seguirão no mesmo local, na quinta e na sexta-feira, com distribuição de panfletos à comunidade.

Os servidores reivindicam 20,09% de reajuste salarial e a mesma porcentagem no vale alimentação. Esse valor seria a composição de 9,93%, equivalente ao acumulado da inflação medida pelo INPC dos anos de 2019 e 2020, e ainda o INPC do ano de 2021, na ordem de 10,16%. A categoria irá completar o terceiro ano sem reajuste.

Durante a assembleia, integrantes da diretoria do Sindicato disseram que foi enviado ofício sobre o reajuste ao Executivo no dia 2 de maio e não houve resposta. No dia 16 de maio, a diretoria encaminhou novo e-mail reiterando o texto encaminhado no início do mês. Conforme os servidores, somente na última sexta a prefeitura teria respondido, dizendo que se manifestará durante esta semana, ou seja, até o dia 27. Em seguida, o Simp sinalizou o recebimento, alertou novamente sobre a data da assembleia e afirmou que a proposta poderia ser enviada até terça, às 11h, o que não ocorreu.

A reportagem entrou em contato com o Executivo, que informou estar realizando as projeções financeiras necessárias neste momento, além da análise da viabilidade das propostas enviadas pelo Sindicato. “Esse tempo é necessário pelo quadro de instabilidade, com inflação alta, queda na arrecadação estadual e redução de tributos que está em discussão no Congresso. A prefeitura trabalha para apresentar a melhor proposta possível aos servidores até o fim desta semana”, aponta o Executivo, através de nota.

“A gente precisa comer”
De acordo com a presidente do Simp, Tatiane Rodrigues, a expectativa é de que o protesto na manhã desta quarta e os três dias de paralisação sirvam para que a prefeita encaminhe de fato uma proposta aos servidores. “Parece que em três anos sem reajuste a prefeita esqueceu que existe data-base, que precisa haver respeito ao mês de maio, que é a data do nosso dissídio. Infelizmente vamos ter que paralisar para mostrar pra prefeita que não estamos brincando. A gente precisa comer, a gente precisa viver e ter melhores condições de trabalho”, desabafa.

A professora Simone Magalhães, lotada na Secretaria Municipal de Educação (Smed), ficou satisfeita com a proposta feita pelo Simp. Ela acredita que as demandas só podem ser resolvidas quando são protestadas pelo coletivo e espera que o Executivo se manifeste em breve. “A prefeitura trabalha para que a opinião pública seja contra o funcionalismo e isso abre precedentes para sermos hostilizados, inclusive no nosso trabalho. Estamos parando porque somos desvalorizados. O culpado não é o servidor público, é o governo”, diz.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados