Independência

Sete de Setembro de mobilizações em Pelotas

Chuva não impediu que apoiadores de Bolsonaro e críticos da atual gestão saíssem às ruas para se manifestar

07 de Setembro de 2021 - 18h03 Corrigir A + A -

Por: Cíntia Piegas
cintiap@diariopopular.com.br 

Esquerda    direita

A chuva deste Sete de Setembro em Pelotas provocou alterações nos roteiros das manifestações previstas por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e opositores da atual gestão. Antecipada em duas horas, a ação de bolsonaristas teve carreata com saída às 13h da loja Havan, seguiu pela avenida São Francisco de Paula até a avenida Ferreira Viana, chegando à Bento Gonçalves, onde um caminhão de som saudava o grupo. De lá, seguiram até a avenida Duque de Caxias, onde, em frente ao 9º Batalhão de Infantaria Motorizado (BIMtz), se juntaram a integrantes do partido Patriotas que pediam intervenção militar. Em outro canto da cidade, no Largo Edmar Fetter, no Mercado Central, vários representantes sindicais contrários ao atual governo discursaram pedindo o afastamento do presidente.

Roberto Rodrigues Vieira Júnior, diretor do Sinasef, foi um dos que discursaram no ato chamado pela Frente em Defesa dos Serviços Públicos, das Conquistas Sociais e Trabalhistas de Pelotas. Sua preocupação é levar à população a realidade do governo. "A atual gestão governa para os bancos e não para o povo. Nós queremos vacinação, auxílio emergencial, educação, universidades para todos e oportunidades." O sindicalista disse que a mobilização não foi uma questão de partido político, mas de defesa a população. "Nosso ato não se restringe somente neste 7 de setembro, pois levamos para comunidades de bairros como Dunas, Py Crespo, estrada do engenho e outros alimentos e diversos atrativos, dentro da programação do 27º Grito dos Excluídos", explicou. Em outras manifestaçōes, representantes de entidades e partidos também fizeram críticas a Bolsonaro e acusaram o presidente de promover o fascismo.

Pró-governo

Por volta das 13h30min desta terça-feira, foguetes e buzinas sinalizavam o início de uma carreata que reuniu mais de três mil de veículos de passeio e de carga pelas principais avenidas da cidade. Mesmo com o anúncio do cancelamento do ato no Altar da Pátria, pelas redes sociais, um caminhão de som permaneceu durante a tarde deste feriado no local, sempre reproduzindo o Hino Nacional. Muitos bolsonaristas foram até a avenida, munidos de capas e guarda-chuva para acompanhar a mobilização que defende a saída dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e o voto impresso. Cenário semelhante em frente ao 9ºBIMtz, com cerca de 300 pessoas ostentando bandeiras, segundo estimativa dos organizadores. "Eu quero uma mudança total. Derrubar o STF. Nossa luta é contra o comunismo, pelo voto impresso e com a contagem pública", disse a motorista Rosana Ramos Pinto, 60, que além de vestir verde e amarelo levou as cores da bandeira pintada no rosto.

Ela e outros manifestantes acompanharam a passagem da carreata com cerca de cinco quilômetros. Depois os participantes, principalmente os caminhoneiros, foram para um posto de combustíveis, no quilômetro 66 da BR-392. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, eles ficaram estacionados, sem bloqueio de estradas. "A população não aguenta mais as arbritariedades do Congresso", disse Alberto Teixeira, um dos bolsonaristas que participou do ato.

Propriedade intelectual do Jornal Diário Popular

Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados