Greve suspensa

Serviços públicos retomam normalidade

Suspensão da greve até a quinta-feira fez os servidores retornarem a seus postos de trabalho

08 de Outubro de 2019 - 19h15 Corrigir A + A -
Unidade reabriu na tarde desta terça-feira.  (Foto: Jô Folha - DP)

Unidade reabriu na tarde desta terça-feira. (Foto: Jô Folha - DP)

Apesar da greve estar suspensa, a indignação está mantida. Foi assim que milhares de servidores públicos municipais retornaram ao trabalho nesta terça-feira. Com a suspensão da paralisação, os serviços públicos foram normalizados durante  tarde ainda com indefinições entre os trabalhadores sobre que proposta será apresentada pelo governo ao sindicato na tarde desta quarta-feira, em uma reunião marcada para às 15h.

Uma assembleia chamada pelo Sindicato dos Municipários de Pelotas (SIMP) suspendeu a greve no final da manhã desta terça

Durante a greve, o setor mais afetado foi a saúde. Ao todo são mais de 50 Unidades Básicas de Saúde (UBS) em Pelotas. Durante a paralisação, 23 estavam fechados e outras sete atenderam parcialmente a população. Nas escolas, de um total de 90, 29 paralisaram totalmente e 19 parcialmente. Em 42 as aulas foram mantidas normalmente. Professores e auxiliares não foram afetados com o atraso de salários.

Mesmo que professores e auxiliares da educação não foram afetados com o atraso de salários, a prefeitura informou que algumas escolas não puderam funcionar devido a falta de funcionários como merendeiras, monitores e porteiros - fator que inviabilizou a normalidade letiva.

Os serviços como Serviços Urbanos e Infraestrutura (SSUI), Obras e Pavimentação (SMOP) e da Segurança Pública não foram afetados com a greve, segundo informou a prefeitura. Na Secretaria de Transporte e Trânsito (SMTT), cerca de 30% dos agentes paralisaram, o que também não afetou os serviços prestados. Áreas como a Cultura, Fazenda e setores administrativos também não paralisaram durante a greve.

Postos reabriram
A UBS Bom Jesus foi um dos postos que reabriu na tarde desta terça-feira. Fechado durante a greve, servidores da unidade retornaram ainda indignados. Duas funcionárias que preferem ter a identidade preservada optaram pelo adiantamento do salário. "Todas as minhas contas vencem no dia cinco. Agora todo mês, pra manter minhas contas em dia, vou ter que deixar uma parte no banco? Não sei se vou aguentar", indicou uma funcionária.

Os serviços de saúde foram os mais afetados durante a greve. Com o serviço funcionando normalmente, a avó Sandra Helena Nunes, 60, aproveitou para levar os netos para vacinar na Bom Jesus. Durante os dias parados, ela não precisou de nenhum serviço público. "Eu dou apoio. A gente vê o trabalho das gurias aqui no posto, a gente é sempre bem atendido. Eu também não trabalharia sem receber", defendeu.

Na UBAI Navegantes, que atendia apenas no período da tarde e à noite nos dias de greve, na tarde desta terça atendia apenas com um médico. Conforme uma enfermeira, alguns médicos já teriam sinalizado nos grupos de Whatsapp da unidade o desejo de sair da prefeitura. "Alguns já pediram para trocar plantão, o pessoal está insatisfeito. Alguns já falaram que não vão permanecer", lamentou. A UBAI reabre normalmente na manhã desta quarta-feira.

A informação não foi confirmada pela secretária municipal de Saúde, Roberta Paganini. "Não recebi a manifestação de nenhum até o momento", disse.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados