Rede de prevenção

Secretária estadual apresenta RS Seguro em Pelotas

Regina Becker diz que projeto busca subsídios com Pacto Pela Paz

13 de Agosto de 2019 - 12h20 Corrigir A + A -

Por: Cíntia Piegas
cintiap@diariopopular.com.br 

Secretária quer aproveitar as experiências do projeto municipal de segurança integrada.  (Foto: Paulo Rossi - DP)

Secretária quer aproveitar as experiências do projeto municipal de segurança integrada. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Ao completar dois anos de atividades, o Projeto Pacto pela Paz ganha status de referência estadual e passa a fornecer subsídios para o RS Seguro. Com essa intenção, a titular da Secretaria do Trabalho e Assistência Social do Estado, Regina Becker, esteve em Pelotas na manhã desta terça-feira (13) para apresentar o projeto do governo, conhecer melhor as ações locais e concretizar a parceria com a prefeitura na busca das experiências. A secretária lembra que Pelotas e Rio Grande estão inseridas nos 18 municípios com maior índice de violência no RS e o foco será um trabalho nas escolas utilizando projetos que deram certo para transformar em atividades inovadoras.

"Logo no início do governo Eduardo Leite foi feita uma pesquisa onde o povo gaúcho foi questionado sobre qual a maior preocupação e quais eram seus anseios. 82% identificaram a segurança pública com a maior preocupação", revelou Regina. Ela contou ainda que a partir dessa constatação, o estudo foi ampliado para poder identificar as áreas de maior violência. O resultado chegou a 18 municípios como sendo responsáveis por 90% dos crimes. Dez deles estão na região metropolitana e os outros compreendem Tramandaí, Capão da Canoa, Caxias do Sul, Santa Maria, Pelotas, Rio Grande e Passo Fundo.

No mapeamento da violência - que levou em contra área mais vulneráveis, com registro de boletim de ocorrência -, foram identificados 80 bairros. "Como trabalhar essas questão? Eu não posso criminalizar o vulnerável. É por isso que o projeto irá trabalhar de forma transversal dentro da situação escolar", garantiu Regina. Com esse diagnóstico, o RS Seguro elegeu 169 escolas que serão alvos das práticas positivas inseridas no programa, como políticas sociais e preventivas para reduzir os índices de violências. A proposta inicial é desenvolver atividades esportivas, culturais e de saúde e educação, sempre voltadas para a questão da paz.

A prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) reconheceu que o RS tem toda a similaridade com o Pacto Pela Paz e que o objetivo dos dois projetos é o mesmo: reduzir os índices de violência, atuar de integrada e, principalmente a prevenção, para que o futuro da população seja diferente.

Futuro
"Há uma pesquisa brasileira que aponta a desesperança dessa nova população brasileira, que não vê uma perspectiva de futuro e recebe uma oferta tentadora em atividades ilícitas", conta a secretária Regina. A realidade fortalece ainda mais a proposta de garantir a essa "nova população" oportunidades que possam sinalizar um futuro mais esperançoso e, ainda, identificar os problemas. "Nosso trabalho será voltado a estudo de caso, para que possamos identificar as potencialidades de jovens adolescentes para que eles tenham seus espaços garantidos dentro da sociedade".

O RS Seguro
O programa RS Seguro é desenvolvido pela Secretaria do Trabalho e Assistência Social do Estado e integra o Programa Transversal de Segurança Pública e Defesa Social e tem como finalidade promover a proteção social de adolescentes e jovens da rede socioassistencial, com foco no risco de abandono e evasão escolar. Também tenta prevenir situações de violências e potencializar a inserção no mundo do trabalho e a qualificação profissional, por meio da implementação de Comitês Intersetoriais Territoriais Municipais-CIT's-M, gestão de casos e articulação em rede estadual e municipal da assistência social, trabalho, saúde e educação nos territórios priorizados pelo programa.

 


Comentários